Com o avanço tecnológico, folgas menores nos sistemas tornam imprescindível o monitoramento de óleo hidráulico
Edição Nº 78 - Janeiro/Fevereiro de 2016 - Ano XIV
Esta notícia já foi visualizada 2081 vezes.


Com o avanço tecnológico, folgas menores nos sistemas tornam imprescindível o monitoramento de óleo hidráulico



por Cristiane Rubim

Segundo Celso Stupiglia, gerente de desenvolvimento de negócios, e Angélica Oliveira, especialista de produto e mercado, ambos da área de Filtração Hidráulica da Parker Hannifin, nas últimas décadas, os equipamentos hidráulicos passaram por uma expressiva evolução alcançada por meio de grandes investimentos em máquinas mais precisas e produtivas. “Estas máquinas fabricam componentes e peças com alta precisão dimensional e geométrica, viabilizando a utilização de folgas menores e melhor balanceamento hidráulico”, apontam. Devido às menores folgas, os equipamentos hidráulicos tornaram-se mais sensíveis aos contaminantes sólidos presentes nos fluidos e o controle dessa contaminação passou a ser indispensável para garantir o funcionamento e a vida de válvulas, bombas e motores. Por isso, há a necessidade do monitoramento constante com base nas normas existentes que estabelecem o nível de limpeza e de contaminação – assim como respectivos tamanhos de partículas – permitido dos fluidos.

Folgas reduzidas nos sistemas
Cerca de 80% das falhas dos sistemas hidráulicos têm relação com os contaminantes dos fluidos, que podem ser grandes ou imperceptíveis a olho nu. “Os contaminantes mais prejudiciais ao sistema hidráulico são as partículas sólidas, água e ar que penetram nele através das entradas de ar pelo reservatório, por abastecimentos incorretos, pelas manutenções e troca de componentes sem o devido cuidado e pelo mal condicionamento de partes do sistema”, explicam Stupiglia e Angélica. Segundo eles, contaminantes imperceptíveis a olho nu são extremamente prejudiciais ao sistema hidráulico, já que até mesmo filtros com alta eficiência são incapazes de reter 100% dessas partículas em uma única passada. “Sendo assim, algumas partículas circulam livremente pelo sistema, gerando cada vez mais contaminação, pois, quando em contato com partes metálicas dos componentes hidráulicos, elas se fragmentam e acessam as menores folgas do sistema, gerando perda de eficiência e até mesmo falha catastrófica”, alertam.

Quanto à relação entre folgas e contaminação, o engenheiro Alex Peixoto Alencar, gerente de produtos da área de Filtros Hidráulicos da Hydac, explica que atualmente os componentes h ...


AVISO

Para acessar esta matéria na íntegra é necessário estar logado.Clique aqui para realizar o seu cadastro!
Já tem login? clique aqui

Publicidade