Coalescência, Absorção e Adsorção
Edição Nº 83 - Novembro/Dezembro de 2016 - Ano XV
Esta notícia já foi visualizada 2757 vezes.


Coalescência, Absorção e Adsorção



Em nossa terceira matéria de Filtração de A a Z, falaremos sobre a coalescência, processo muito utilizado no mercado de filtração, traremos também as explicações sobre os processos de absorção e adsorção, muitas vezes ainda confundido por usuários e evolvidos com as áreas de filtragem.

Coalescência
A coalescência é um termo muito empregado no segmento industrial, e sua principal característica é a união ou fusão de partículas e substâncias, que geralmente no segmento de filtros são líquidos como água e óleo. As substâncias ou os materiais coalescentes são aqueles que se podem unir-se em um único corpo.
Como exemplo prático de coalescência tomamos como base um recipiente com água e óleo, ao agitarmos o mesmo perceberemos que os líquidos não se misturam e as gotas de óleo começam a se aglutinar ou fusionar até comporem uma única grande gota que supõe a separação final entre ambas as substâncias.
A coalescência é utilizada em praticamente todas as instalações industriais que necessitam de ar comprimido purificado ou até de gases filtrados - máquinas de injeção de plástico ou nos setores automobilístico, mineração, químico e têxtil são alguns exemplos. Em todos os casos, os alvos são componentes como óleo, água condensada, vapores de água e de óleo.
O ar comprimido deve ser sempre limpo e seco, mas dependendo da aplicação, livre parcial ou totalmente isento de óleo, uma vez que é uma necessidade básica para indústria de um modo geral. A verdade é que uma simples gota de óleo é altamente indesejável e traz mal estar gerencial e funcionamento inadequado do processo de automação pneumática, causando problemas de vedação em válvulas, falhas em cilindros, resultando numa operação totalmente desastrosa, ou em caso extremo, paralisação das partes móveis.
A umidade relativa do ar, succionada pelo compressor ocasiona partículas de água nos sistemas de ar comprimido, que são arrastados para dentro dos sistemas e transferidos para a aplicação final. Tomaremos como referência um processo de pintura por ar comprimido, as partículas de água ou aerossóis são totalmente indesejáveis, e com certeza influenciarão na qualidade final do processo de pintura, impossibilitando muitas vezes o ocasionamento de bolhas e má aderência da tinta na superfície.
O mesmo ocorre com as partículas de óleo, provenientes dos sistemas de lubrificação dos compressores e que acabam sendo arrastadas para dentro da linha de ar comprimido, que poderão ocasionar odores in ...


AVISO

Para acessar esta matéria na íntegra é necessário estar logado.Clique aqui para realizar o seu cadastro!
Já tem login? clique aqui

Publicidade