Novidades no mercado de filtração residencial
Edição Nº 89 - Nov/Dezembro de 2017 - Ano XVI
Esta notícia já foi visualizada 4749 vezes.


Novidades no mercado de filtração residencial



por Carla Legner


O cuidado com a qualidade da água para beber e para a preparação de alimentos vem desde a Antiguidade e por toda a classe de consumidores, tanto é verdade que desde a época dos nossos avós, sempre vimos na cozinha um filtro de barro por mais simples que fosse. Hoje, embora a evolução dos sistemas de saneamento seja eficiente para fornecer água tratada e de qualidade para a população, a água pode sofrer contaminação em caixa d’água ou tubulações por onde passa, até chegar à torneira, sendo de total importância o uso de um filtro ou purificador de água.
O mercado de filtros residências engloba desde os mais simples filtros acoplados na torneira ou os tradicionais filtros de barro até os mais sofisticados purificadores de água elétricos que oferecem água gelada. De acordo com a ABRAFIPA – Associação Brasileira das Empresas de Filtros, Purificadores, Bebedouros e Equipamento para Tratamento de Água, os aparelhos são certificados pelo Inmetro e o setor conta, hoje, com 162 empresas que somam 1085 modelos de produtos certificados pelo órgão. 
Além disso, o mercado também oferece aparelhos de variadas eficiências, desde os que apenas retiram partículas indesejáveis da água ou reduzem o excesso de cloro até os mais sofisticados com eficiência bacteriológica, portanto, o mercado é bem diversificado de modo a oferecer produtos que se encaixam no bolso e de acordo com as necessidades de cada consumidor.
Fábio de Oliveira Pinto, representante da Asstefil, explica que os filtros destinados ao segmento residencial podem ser divididos, basicamente, em dois tipos: os de ponto central e os de filtros para consumo imediato. Basicamente, os filtros centrais são recomendados para redução de impurezas como óxido de ferro, barro ou outros contaminantes físicos que são carregados pela tubulação da rede pública e que ficam depositados no interior de reservatórios e de caixas d’água.

Os de consumo imediato possuem algumas variações, particularidade de cada consumidor, o mais comum é o filtro para redução de gosto, odor e cloro. “Existe uma particularidade emcada consumidor, alguns notam uma forte presença de cloro na água, por isso necessitam retirá-lo para sua ingestão, para outros é apenas uma forma de proteção da caixa d’água de eventuais sujidades e outros ainda desejam uma água m ...


AVISO

Para acessar esta matéria na íntegra é necessário estar logado.Clique aqui para realizar o seu cadastro!
Já tem login? clique aqui

Publicidade