Avaliação dos filtros manga em indústria de tintas
Edição Nº 91 - Março/Abril de 2018 - Ano XVI
Esta notícia já foi visualizada 3578 vezes.


Avaliação dos filtros manga em indústria de tintas



por Roberta Grazziotin Rocha e Dr. Luciano Peske Ceron
Este trabalho teve como objetivo a avaliação da eficiência de elementos filtrantes em indústria de tintas, na captura de pigmentos na forma de particulados em filtros manga. A filtração de gases em filtros adequados é considerada um dos mais promissores recursos no desenvolvimento da tecnologia de coleta de particulados nos últimos anos, visto que a limpeza é de grande importância não só por motivos ambientais como também econômicos. Foram investigados quatro filtros manga de poliéster da indústria de tintas através de análises laboratoriais, caracterizando o tipo de particulado, condições mecânicas e permeabilidade das mangas filtrantes. Em função dos resultados, foram propostas novas especificações para melhorar a eficiência de retenção e elevar o tempo de uso dos elementos filtrantes.       

1. Introdução
Cada vez mais as indústrias estão engajadas em minimizar os impactos ambientais gerados de suas atividades produtivas, preservando a saúde e meio ambiente e garantindo o bem estar de seus colaboradores. Com intuito de manter a qualidade do ar dentro dos padrões limitados pela resolução nacional CONAMA nº 003/1990, os filtros manga com tecidos, são os equipamentos mais indicados para a filtragem de material particulado. A finalidade desse equipamento é de evitar reduzir, coletar, capturar ou reter poluentes (materiais particulados) antes que eles atinjam a atmosfera. Os filtros manga possuem uma alta eficiência no processo de retenção das partículas, até 99,9%,em uma ampla faixa granulométrica (LORA, 2002).  
Durante o período da Revolução Industrial, meados do século XIX, que o setor de indústrias de tintas e vernizes se desenvolveu com maior rapidez. Sendo um dos maiores produtores mundiais de tintas, o Brasil contém boa parte das grandes indústrias deste ramo, que vai da fabricação do produto final, dos insumos até equipamentos e serviços (ABRAFATI, 2010).   
Segundo Fazenda (2005), tinta é uma composição líquida, com aspecto viscoso, constituída de pigmentos (pós) dispersos em um aglomerante líquido (resina). Gerado em elevada quantidade dentro do processo produtivo, o material particulado é definido como um mistura de partículas sólidas (aerossóis) ou líquidas, exceto água pura, encontradas no ar. Suas propriedades físicas e composição química podem variar conforme a sua fonte de emissão (USEPA, 2006). 
O objetivo deste trabalho ...


AVISO

Para acessar esta matéria na íntegra é necessário estar logado.Clique aqui para realizar o seu cadastro!
Já tem login? clique aqui

Publicidade