Como funcionam os filtros e processos para despoeiramento
Edição Nº 95 - Novembro/Dezembro de 2018 - Ano XVII
Esta notícia já foi visualizada 1773 vezes.


Como funcionam os filtros e processos para despoeiramento



por Carla Legner
Alguns processos industriais geram materiais particulados que são transformados em pó, grão ou outros formatos semelhantes. Estas poeiras devem ser impedidas de contaminar a atmosfera, não apenas pelo dano ambiental que provocam, mas também pelos efeitos econômicos relacionados à redução da eficiência do processo.
Um ambiente de trabalho limpo e com ar livre de contaminação é atualmente um requisito operacional de todas as empresas. Em qualquer que seja o segmento há o manuseio de produtos em pó e muitas vezes produtos tóxicos e/ou explosivos. A partir de uma determinada concentração, eventuais particulados em suspensão excedem um nível seguro, podendo implicar em cancelamento de licença de trabalho ou até mesmo em processos trabalhistas. 
De acordo com Marcos Botelho Leal, gerente de vendas da Zeppelin, além da preocupação com as condições de trabalho dos colaboradores, existe também a responsabilidade de atender às normas locais por meio das entidades regulamentadoras que estabelecem as condições restritivas às empresas, referente à quantidade de particulado que a atividade pode emitir ao meio ambiente. 
Os filtros e processos de despoeiramento são utilizados para solucionar esse problema. Seu sistema consiste na captação de particulado contaminante no ponto onde há suspensão do pó e transferência enclausurada do material captado até o filtro onde há retenção do pó, que pode ser reaproveitado ou descartado da forma correta, além disso, o ar é emitido limpo na atmosfera. 
João Carlos Mucciacito, químico e professor de gestão ambiental e engenharia de segurança do trabalho, explica que o processo de despoeiramento abrange a redução de material particulado, por meio da separação mecânica, podendo ser considerada a forma mais eficaz para retirar partículas de um fluxo gasoso. 
Sua ação contempla desde partículas grandes até partículas de tamanho da ordem de 10µm micronsmetro, (1µm = 10-9m), especialmente para aplicações que requerem eficiências extremamente altas na coleta de partículas muito pequenas a um custo moderado, onde se encontra uma grande classe de poluentes constituída de poeiras, fumaças e todo o tipo de material sólido e líquido que, d ...


AVISO

Para acessar esta matéria na íntegra é necessário estar logado.Clique aqui para realizar o seu cadastro!
Já tem login? clique aqui

Publicidade