UFSCar cria purificador para acesso à água potável em locais remotos
Edição Nº 96 - Janeiro/Fevereiro de 2019 - Ano XVII
Esta notícia já foi visualizada 6118 vezes.


UFSCar cria purificador para acesso à água potável em locais remotos




A falta de acesso a água potável é um problema grave em todo o mundo, com 2,1 bilhões de pessoas - 3 em cada 10 - sem serviços de abastecimento que levem água de qualidade até as suas casas, segundo relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Destas, 263 milhões de pessoas gastam pelo menos 30 minutos para chegar até o ponto de abastecimento mais próximo, e 159 milhões continuam bebendo água não tratada de fontes como rios e lagos. No Brasil, a estimativa é que sejam 34 milhões de pessoas sem acesso à água de qualidade, o que representa 16% da população. Buscando contribuir para a transformação desse cenário, um grupo de servidores docentes e técnico-administrativos e de estudantes vinculados ao Departamento de Engenharia Mecânica (DEMec) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) desenvolveu, ao longo deste ano, um sistema portátil e inovador de purificação de água, capaz de produzir até 4.320 litros de água potável por dia, abastecendo uma família ou, em alguns casos, pequenas comunidades.
O projeto de extensão “Avaliação da qualidade da água de diferentes sistemas de filtração compactos para uso doméstico”, coordenado por Fernando Guimarães Aguiar, docente do DEMec, surgiu de demanda apresentada à Universidade no final de 2017 pela Companhia Coral de Investimentos e pela empresa Água Boa. As empresas haviam adquirido um nanofiltro de fabricação alemã e tinham interesse em desenvolver o sistema de purificação a partir desse filtro. “O nanofiltro é o grande diferencial do nosso sistema, com 100% de eficiência na remoção de vírus e bactérias. Mas não basta ter o filtro. O processo de purificação precisa ser realizado em etapas, desde a remoção de materiais maiores como pedras até a etapa da ultrafiltração e, além disso, havia outros desafios a equacionar”, conta Aguiar. Tais desafios estavam diretamente relacionados ao objetivo pretendido para o equipamento: a utilização em locais de difícil acesso, onde a rede de distribuição de água não chega. “O sistema precisava ser compacto, eficiente e flexível no que diz respeito ao consumo energético, robusto - para aguentar vibrações e impactos no transporte - e de fácil manutenção, além do baixo custo”, explica o pesquisador.
Para verificar diferentes possibilidades na busca da melhor solução, uma ...


AVISO

Para acessar esta matéria na íntegra é necessário estar logado.Clique aqui para realizar o seu cadastro!
Já tem login? clique aqui

Publicidade