Edição Nº 101 - Novembro/Dezembro de 2019 - Ano XVIII
1070 visualizações
Filtração de cervejas entra no mundo dos sistemas automatizados das novas membranas filtrantes


Filtração de cervejas entra no mundo dos sistemas automatizados das novas membranas filtrantes



por Cristiane Rubim

 

O consumo de cervejas/chopes cresce ano a ano em todo o mundo. “Vejam a quantidade de microcervejarias existentes hoje no Brasil, fazendo com que mais estudos e pesquisas sejam realizados, facilitando os processos de fabricação desta bebida milenar, desde as fabricações caseiras até os processos industriais” – analisa o engenheiro químico Rogério Jardini, especialista em Filtração Industrial e Residencial.
A filtração de cervejas ainda se utiliza de tecnologias e processos tradicionais, mas já vem introduzindo as novas tecnologias e a automação e vai também se transformando para atender aos diversos requisitos para a fabricação de cerveja. “Hoje os sistemas de filtragem têm automação nos processos e os controles são todos automatizados, facilitando o desempenho e a operação dos equipamentos. Com a automação/robótica, buscam-se reduções de custo operacional e melhoria da qualidade do processo de fabricação dos produtos, neste caso, das cervejas e chopes” – diz Jardini.

Filtração
Em vários aspectos, a filtração de cervejas ainda utiliza tecnologias e processos bem tradicionais. “Por exemplo, os filtros de terra diatomácea, conhecidos como Kieselguhr, continuam sendo muito utilizados na maioria das cervejarias. Devido à sua alta porosidade e disposição formando labirintos tortuosos, proporcionam excelente capacidade de clarificação da cerveja, reduzindo particulados e turbidez. Além disso, têm uma boa relação custo-benefício, apesar da inconveniência com relação ao descarte e disposição final do material filtrante carregado de material orgânico” – cita Rodrigo Chrispim Gouvea, gerente de produto da divisão de ciências de separação e purificação (SPSD) da 3M.

 


Para complementar a filtração com terra diatomácea, as cervejarias utilizam os filtros tipo cartuchos em várias etapas do processo e as membranas poliméricas para atingir melhores características visuais, organolépticas e estabilidade da bebida. “Devido ao tamanho reduzido dos poros, da ordem de centésimos de micrômetros, as membranas poliméricas são usadas em etapas finais do processo, propiciando estabilização da cerveja através da remoção de microrganismos e garantindo ...


AVISO

Para acessar esta matéria na íntegra é necessário estar logado.Clique aqui para realizar o seu cadastro!
Já tem login? clique aqui

Publicidade