Edição Nº 103 - Março/Abril de 2020 - Ano XVIII
8912 visualizações
A mudança para o uso dos filtros ecológicos depende das montadoras


A mudança para o uso dos filtros ecológicos depende das montadoras



por Cristiane Rubim

Esta segunda década do terceiro milênio foi sensacional para quem gosta de automóvel – afirma Paulo Cardamone, Chief Strategy Officer da Bright Consulting, em seu artigo “A década de transformações no mercado de veículos leves no Brasil”. O Brasil se tornou o 4º maior mercado consumidor a partir de 2010, com 3,33 milhões. “Chegamos a 3,66 milhões e retrocedemos até os 1,99 milhão de 2016. Desde então, buscamos a recuperação e fechamos 2019 com 2,66 milhões – 1 milhão a menos do que o recorde da década” – relata. A Consultoria estima que voltaremos aos 3,6 milhões em 2024, se as previsões sobre as variáveis que impactam o mercado se concretizarem, o que exigiria crescimento médio de 6,5% ao ano.
Para atender a toda essa demanda e à evolução natural tecnológica dos automóveis, de olho também na sustentabilidade, os motores como um todo avançaram e se modernizaram, exigindo que os filtros acompanhassem essas transformações, como é o caso dos filtros ecológicos, que trazem a proposta de proteger o meio ambiente. “No Brasil, presenciaremos uma grande mudança ao longo dos próximos anos com os veículos híbridos, que já são uma realidade. Iniciou com o Prius, da Toyota, e agora, o novo Corolla híbrido. Com motor a combustão e filtro do óleo refil ecológico. Cremos que seja o futuro, tanto aqui como no mundo. Mais tecnológico que estes motores e este sistema de filtragem é o motor 100% elétrico” – aponta João Lucena, do suporte técnico da Sogefi Filtration do Brasil.
Com a globalização da produção mundial e a consolidação de marcas asiáticas no mercado nacional, as montadoras estão se adaptando aos filtros ecológicos. Além de proteger o meio ambiente, entre outras vantagens, está a redução do custo do produto final, que corrobora para esta tendência de mercado. “Na sua maioria, a mudança para o uso de filtros ecológicos depende das montadoras” – afirma Laine Cracco, supervisora de vendas da Mahle Metal Leve. “Entre os desafios no segmento de filtros ecológicos, estão a modernização das fábricas, os investimentos e a inovação dos motores por parte das montadoras” – destaca Laine.
As montadoras informam aos fabricantes dos filtros as características do sistema de filtragem dos motores. “Por isso, precisamos trabalhar cada vez mais o apelo da sustentabilidade do produto e da modernização dos sistemas de filtragem. Além disso, novas tecnologias proporcionam maior rendimento e menos desgaste do equipamento/motor” – ressalta a supervisora de ...


AVISO

Para acessar esta matéria na íntegra é necessário estar logado.Clique aqui para realizar o seu cadastro!
Já tem login? clique aqui

Publicidade