Publicidade
MEIO FILTRANTE - Volkswagen do Brasil registra aumento de mais de 63% nas exportações em 2017

Esta notícia já foi visualizada 193 vezes.

Volkswagen do Brasil registra aumento de mais de 63% nas exportações em 2017

Data:19/6/2017

Os mercados que mais compraram veículos da Volkswagen do Brasil foram Argentina, México e Colômbia
Gol, Voyage e Saveiro foram os modelos mais exportados
A empresa é a maior exportadora da história do País, com mais de 3,5 milhões de unidades embarcadas para 147 países
novo up! começa a ser exportado para os principais mercados da América Latina

 
A Volkswagen do Brasil registrou, no período de janeiro a maio de 2017, um aumento de mais de 63% nas exportações em comparação com o mesmo período de 2016. Ao todo, foram 71.086 unidades exportadas nos cinco primeiros meses do ano contra 43.575 nos mesmos meses do ano passado.
 
O incremento das exportações da Volkswagen do Brasil em 2017 superam os 61,8% de crescimento verificado pela indústria nos cinco primeiros meses de 2017 em relação ao mesmo período de 2016. O volume exportado pela Volkswagen em 2017 corresponde a 24% de todos os embarques da indústria automotiva brasileira no mesmo período, que, segundo dados da Anfavea, totalizaram 307.558 unidades até maio.
 
“A formatação da nova estrutura regional na América do Sul nos permite trabalhar de maneira mais eficiente e atuar mais ativamente nas decisões voltadas aos mercados da região. Essa estratégia ajuda também a tornar a marca Volkswagen mais conectada ao consumidor, ágil e competitiva, possibilitando conquistar uma participação mais forte principalmente no mercados vizinhos ao nosso”, afirma o Presidente e CEO da Volkswagen do Brasil e América do Sul (SAM), David Powels. “O resultado deste trabalho já é refletido nos nossos volumes de exportação, que servem como um indicador bastante relevante do nosso nível de competitividade para atuar com veículos  brasileiros em outros mercados”.
 
Os países que mais receberam os veículos produzidos pela Volkswagen do Brasil foram Argentina, México e Colômbia. Já o modelo mais exportado nos primeiros cinco meses de 2017 continua sendo o Gol, com 32.158 unidades embarcadas; seguido por Voyage, com 13.029 unidades; Saveiro, com 11.825 unidades; e up!, com 8.441 unidades.
 
“Nossa oferta atual de produtos é capaz de atender os padrões de qualidade exigidos pelos mercados que compram os carros que fabricamos no Brasil. Isso tem permitido que a marca busque novas oportunidades de negócios, elevando as exportações”, explica Thomas Owsianski, vice-presidente de Vendas e Marketing da Volkswagen América do Sul (SAM).
 
A performance positiva até o momento em 2017 reflete os primeiros resultados da criação da estrutura regional SAM, que engloba a América do Sul, América Central e Caribe, em um total de 29 países. Essa divisão dá maior autonomia e força no desenvolvimento de soluções para as demandas dos clientes da Volkswagen nessas regiões, ajudando a ampliar a atuação da empresa nesses mercados.
 
Líder em exportações em 2016 e maior exportadora da história do País
 
A Volkswagen foi a maior exportadora do setor automotivo em 2016, com 107.322 unidades embarcadas para 16 países. O modelo mais exportado em 2016 foi o Gol, com 49.911 unidades, seguido por up! (20.318), Voyage (17.512) e Saveiro (12.443).
 
Em toda a sua história, a Volkswagen já exportou mais de 3,5 milhões de veículos para 147 países. O primeiro embarque de veículos para mercado no exterior foi realizado em 1970, quando foram exportadas 13 unidades dos modelos Kombi e Variant, com destino ao México e países da América do Sul.
 
Com mais de 60 anos de atividades, a Volkswagen do Brasil foi a primeira fábrica da marca fora da Alemanha e já foi estrategicamente instalada próximo ao Porto de Santos, contribuindo para geração de divisas no País. A empresa utiliza os portos de Santos (SP), São Sebastião (SP) e Paranaguá (PR) para exportar os veículos, dada a proximidade estratégica com as fábricas localizadas em São Bernardo do Campo – Anchieta (SP), Taubaté (SP) e São José dos Pinhais (PR).
 
3,5 milhões de veículos exportados em sua história
 
Maior fabricante e exportadora de veículos da história do País, a Volkswagen do Brasil conquistou no início do ano a marca de 3,5 milhões de veículos exportados desde que iniciaram os seus embarques, em 1970. A empresa também foi a maior exportadora do setor automotivo em 2016, com 107.322 unidades embarcadas para 17 países.
 
novo up! começa a ser exportado
 
A Volkswagen do Brasil anunciou em maio o início da exportação do recém-lançado novo up!. O modelo, que chega mais conectado, tecnológico e esportivo, teve mais de 3 mil unidades enviadas a alguns dos principais mercados da América Latina: Argentina, Peru e Uruguai. Nos próximos meses, o modelo deve chegar ao México, Colômbia e a Curaçao.
 
Curiosidades sobre as exportações:

    As exportações da Volkswagen do Brasil começaram em fevereiro de 1970, quando 13 unidades dos modelos Kombi e Variant foram exportadas para o México e países da América do Sul.
    Em 1972 os volumes exportados já chegavam a 7.204 unidades. Este número expressivo fez a empresa perceber a grande oportunidade de tornar-se líder em exportação (automóveis e comerciais leves).
    Um dos maiores contratos de exportação foi com o Iraque, para onde foram exportadas 170 mil unidades do Passat de 1983 a 1988.
    Outro grande contrato ocorreu em 1987, com o Projeto 99 (Voyage e Parati) para o mercado norte americano (Canadá e EUA). Foram dois anos de exportação da Parati com 25.022 unidades e sete anos do Voyage com 202.062 unidades exportadas.
    Em 2000, após o sucesso das exportações do Voyage e da Parati, a Volkswagen do Brasil anunciou a volta ao mercado norte americano (Canadá e EUA), considerado um dos mais exigentes do mundo, com as exportações do modelo Golf. Foram 137.925 unidades do modelo para os EUA no período de 2000 a 2005 e 75.063 unidades para o Canadá entre os anos de 2000 a 2009.
    O Gol com motor a diesel foi vendido entre 2000 e 2008 para Argentina (14.562 unidades no período), Uruguai (1.219 unidades) e Paraguai (898 unidades).
    Em junho de 2004 a Volkswagen comemorou 1,5 milhão de unidades exportadas. O veículo que representou esse marco foi um Gol destinado à Venezuela.
    O ano de 2005 registra o ápice da exportação, com a abertura dos mercados da África e Oriente Médio, mais uma vez a Volkswagen do Brasil superou desafios levando produtos para países com diferentes exigências.
    Os produtos da Volkswagen do Brasil (automóveis e comerciais leves), já marcaram presença na Europa, África, Ásia e Américas.
    Com a criação do Mercosul em 1991 inicialmente composto por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, no qual os objetivos primordiais eram a eliminação das barreiras tarifárias e não-tarifárias no comércio entre os países membros, o impacto geral sobre a performance da indústria automobilística foi extremamente positivo, considerando que esses países tornaram-se um importante polo de atração de investimentos estrangeiros diretos.
    Em alguns países os modelos receberam outro nome, como o Gol no México, Rússia e Egito chamou-se Pointer ou mesmo o Fox, que no México chamava-se Lupo.
    Entre 2004 e 2005, o Gol foi exportado para a Rússia, sendo o primeiro carro brasileiro a circular naquele país.
    Ucrânia, Turcomenistão e Azerbaijão receberam o Gol, entre 2005 e 2006, sendo que o automóvel sofreu adaptações devido à grande diferença climática em relação ao Brasil.
    China e Irã chegaram a fabricar o Gol em CKD a partir de peças exportadas do Brasil.
    up! começa a ser exportado em 2014. Cerca de 2.000 unidades do up! desembarcaram na Argentina nas versões 2 e 4 portas.
    Em 2015, o up! passa a ser exportado também para o Uruguai, México e Peru.
    Em 2016, o up! conquistou mais três novos mercados: Paraguai, Costa Rica e Curaçao.
    Volkswagen do Brasil chega a 3,5 milhões de veículos exportados em sua história e reafirma a sua liderança nos envios a outros mercado com os resultados de 2016.

Para informações sobre a Volkswagen do Brasil, acesse: www.imprensavw.com.br


Fonte: Assessoria de Imprensa

Comentários desta notícia

Publicidade