Publicidade
MEIO FILTRANTE - Termoelétrica de R$ 5 bilhões em Sergipe recebe ok ambiental

Esta notícia já foi visualizada 122 vezes.

Termoelétrica de R$ 5 bilhões em Sergipe recebe ok ambiental

Data:11/8/2017

Da Redação  

Projeto será a maior geradora a gás natural da América Latina e deve ser entregue em 2020

A Termoelétrica Porto de Sergipe I recebeu, nessa semana, a licença de instalação da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), órgão estadual responsável pela fiscalização do setor no estado. Com o sinal verde, as obras do projeto podem avançar até o cronograma de ativação em 2020. Estimado em R$ 5 bilhões, a instalação será a maior termoelétrica a gás natural da América Latina. Outro detalhe do empreendimento é que ele também fará parte da linha de transmissão e instalação offshore de armazenamento e regaseificação do gás natural liquefeito (GNL).

“A obtenção dessa licença é um marco importante para garantirmos o andamento da obra e o compromisso assumido de gerar energia a partir de janeiro de 2020”, explica Eduardo Maranhão, presidente da Centrais Elétricas de Sergipe S.A. (Celse), dona do complexo. A ser instalada em Barra dos Coqueiros, a usina ganhou o Leilão de Energia Nova A-5 em abril de 2015.

O complexo terá 1.551 MW de potência instalada, capacidade suficiente para abastecer a 15% da demanda de energia do Nordeste, e é composto pela Usina Termoelétrica Porto de Sergipe I, que processará gás natural em energia elétrica; uma Linha de Transmissão com 33 km de extensão, que levará energia até o sistema integrado nacional; e um conjunto de Instalações Offshore, que contemplam uma Unidade Flutuante de Armazenamento e Regaseificação do Gás Natural Liquefeito (GNL) e gasoduto dedicado para suprimento da usina.

Toda a obra será finalizada até 2019, quando tem início a fase de testes e comissionamento, e, em janeiro de 2020, a usina deverá estar pronta para começar a fornecer energia comercialmente conforme estabelecido nos contratos de venda de energia firmados no leilão de 2015, realizado pela Aneel.


Fonte: www.infraroi.com.br

Comentários desta notícia

Publicidade