Publicidade
MEIO FILTRANTE - Automóveis leves teve aumento de 7,86% no acumulado do ano

Esta notícia já foi visualizada 1191 vezes.

Automóveis leves teve aumento de 7,86% no acumulado do ano

Data:4/10/2017

Ante o mesmo período em 2016.

O desempenho dos emplacamentos de veículos automotores, no mês de setembro e no acumulado do ano, foi divulgado no dia 3 de outubro (terça-feira), durante coletiva de imprensa realizada pela Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, entidade que representa mais de 7,4 mil Concessionárias no Brasil.

As vendas de todos os segmentos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros) apresentaram queda de 9,55% entre setembro (276.126 unidades) e agosto (305.264 unidades). Já na comparação com setembro do ano passado (240.334 unidades), houve crescimento de 14,89%.

No acumulado de 2017, o setor em geral teve queda de 1,18%, totalizando 2.352.784 unidades emplacadas de janeiro a setembro deste ano, contra 2.380.875 no mesmo período de 2016.

Os segmentos de automóveis e comerciais leves também apresentaram queda em setembro, com uma redução de 7,76% sobre agosto. Foram emplacadas 193.580 unidades, contra 209.862 em agosto. No entanto, se comparado com setembro do ano passado (154.971 unidades), o resultado aponta uma alta de 24,91%.

No acumulado do ano, esses segmentos tiveram aumento de 7,86% sobre o mesmo período de 2016, com 1.573.562 unidades comercializadas de janeiro a setembro de 2017, contra 1.458.927 no mesmo período do ano passado.

Para o Presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, o resultado de setembro demonstra a melhora esperada para o setor, que vem se concretizando ao longo dos últimos meses."Apesar do registro de queda em dias corridos, a média diária dos emplacamentos em setembro (20 dias úteis) foi 4,23% superior à média diária do mês agosto (23 dias úteis). Esse movimento de alta nas vendas diárias é reflexo de fatores positivos como a queda da taxa de juros, a queda nos índices de desemprego e da inadimplência que, juntos, atuaram positivamente na intenção de compra do consumidor", conclui.

Projeções Revisadas: durante a coletiva de imprensa, a Fenabrave revisou as projeções do setor para o ano de 2017.

Para o setor como um todo, a entidade estima alta de 2,2%, contra uma projeção que, em julho, estimava uma retração de 1,9%. "Estamos observando uma melhora considerável na economia, que deve se refletir no resultado da maioria dos segmentos automotivos, com exceção de motocicletas que, ao contrário do que prevíamos no início deste ano, deverá ter retração de 13,1%, apenas um pouco melhor do que a queda de 13,5%, divulgada nas projeções de julho", comentou o Presidente da Fenabrave.

Nas novas projeções da entidade, os segmentos de automóveis e comerciais leves devem apresentar crescimento de 9,9% em 2017. Em julho, a entidade estimava que os segmentos cresceriam 4,3% no ano. "Devemos atingir esse patamar de crescimento se as nossas previsões, de comercializar a média de 200 mil unidades mensais, se confirmarem entre os meses de outubro a dezembro", afirmou Alarico Assumpção Júnior, que informou que a oferta de crédito, para esses segmentos, também tem apresentado crescimento. "Antes, a cada 10 fichas cadastrais, 3 eram aprovadas e, agora, 3,4 têm o crédito concedido", sinaliza.

Para caminhões, as perspectivas atuais são de redução de 2% nos emplacamentos em 2017, numa situação bem melhor do que a apontada nas projeções divulgadas em julho, que indicavam queda de 11,5%. "Com a retomada da economia, a comercialização de caminhões também está melhorando. Só não teremos resultados positivos esse ano em função do estoque de veículos, acumulado nas transportadoras, e que agora começam a rodar", adverte o Presidente da Fenabrave.

Para implementos rodoviários, a nova projeção aponta para uma alta que pode chegar a 3%, contra uma projeção de queda de 7,1% (divulgada em julho) e, para ônibus, a Fenabrave projeta crescimento de 8%, sendo que a última projeção apontava retração de 5,5%.

Os segmentos de Tratores devem apresentar um crescimento de 6,97 e, para Máquinas Agrícolas, o crescimento estimado é de 1,6% em 2017.

Transações de Usados crescem no acumulado — As transações de veículos usados, considerando todos os segmentos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros) apresentaram queda de 13,36% em setembro, na comparação com o mês anterior. Foram transacionadas 1.178.411 unidades de veículos usados em setembro, contra 1.360.133 em agosto. Porém, na comparação com o mês de setembro/2016, o resultado geral de transações de usados apresentou alta de 3,88% e, no acumulado do ano, houve aumento de 7,46% sobre o mesmo período de 2016.

As transferências de automóveis e comerciais leves usados apresentaram retração de 13,37% em setembro, na comparação com o mês anterior. Foram transacionadas 891.628 unidades em setembro, contra 1.029.273 em agosto. Em relação a setembro/2016, houve crescimento de 4,72% nas transações destes veículos e, no acumulado de 2017 (janeiro a setembro), o aumento foi de 8,41% sobre o mesmo período de 2016.

Do total de automóveis e comerciais leves transacionados, os usados (de um a três anos de fabricação) representaram 15,72 % das negociações realizadas em setembro, e 14,36 % no acumulado do ano.

De acordo com a Fenabrave, os dias úteis a menos em setembro (20 dias) em relação a agosto (23 dias) também influenciaram, negativamente, nas negociações de veículos usados. "Apesar do menor volume total, o mercado de usados continua aquecido e favorecido pelas operações de ´troca com troco´". As transações poderiam ser até maiores não fosse a escassez de oferta de veículos seminovos", comentou o presidente da Fenabrave.



Fonte:  www.revistafatorbrasil.com.br 

Comentários desta notícia

Publicidade