Publicidade
MEIO FILTRANTE - Decreto estimula produção de energias renováveis no Paraná

Esta notícia já foi visualizada 292 vezes.

Decreto estimula produção de energias renováveis no Paraná

Data:30/1/2018

O governador Beto Richa assinou no dia 24 um decreto que estabelece a Secretaria de Estado do Planejamento como coordenadora do Programa Paranaense de Energias Renováveis.

O programa promove e incentiva a produção e o consumo de energias renováveis, principalmente eólica, solar e biomassa.
 
“Vamos unir as forças do Paraná na área de pesquisa, universidades, setor produtivo e empresarial para trabalhar no incentivo à produção de energia renovável”, disse o secretário de Planejamento, Juraci Barbosa.

Ele explicou que um dos principais temas a ser tratado é o uso de dejetos animais, a exemplo de suíno e bovino, para a geração de energia.

Aproveitamento
O Estado tem o maior rebanho de suínos do País, com 7,13 milhões de cabeças, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Precisamos dar um fim para os resíduos produzidos pelos animais e um dos destinos poderia ser a energia renovável”, disse Barbosa.

Em setembro de 2017, o secretário participou de uma comitiva, organizada pelo Sistema Faep/Senar-PR, que visitou Itália, Alemanha e Áustria, países onde a energia renovável é uma realidade.

“Conheci vários sistemas adotados e isso contribuirá para criarmos um novo modelo para o Estado, que tem grande potencial”, complementou ele.

EOLICAS Parana

Ações
O Governo do Paraná tem outros projetos voltados à produção de energia renovável, todos alinhados com a política energética nacional, que prevê redução da participação da hidroeletricidade de 81% para 73% até 2020 e a ampliação da geração de energia proveniente de biomassa de 5% para 10% e da energia eólica de 0,4% para 4%.

A Fomento Paraná e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) oferecem linhas de financiamento para empreendimentos de geração, transporte, transmissão e consumo de energia elétrica.

Já a Copel criou a Coordenação de Energias Renováveis, focada no desenvolvimento de um modelo de geração de energia renovável não agressiva ao patrimônio natural do Estado.

Outro projeto é o Smart Energy Paraná, feito pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. O programa busca a adequação da rede de energia elétrica convencional em rede inteligente e a disseminação da geração distribuída por fontes de energias renováveis.

Complexo Eólico Palmas II
A Audiência Pública para apresentação dos Estudos e Relatório de Impacto Ambiental(EIA/RIMA) dos empreendimentos de energia eólica no município de Palmas – Complexo Palmas II – deverá ser marcada após o período de Carnaval.

 
O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) publicou em novembro do ano passado o Edital de entrada EIA/RIMA. A publicação é procedimento necessário para solicitação de Audiência para apresentação dos projetos e abrange também documentos relativos a Linha de Transmissão da energia produzida até a subestação da Copel. no perímetro urbano.

Posteriormente, o órgão estadual abriu prazo de 45 dias para a convocação da Audiência Pública, o que foi postergado pela paralisação dos procedimentos no período de recesso nas repartições públicas estaduais.

O ato é procedimento legal primordial para que o órgão de fiscalização ambiental do Estado conceda a Licença Prévia(LP) para inciar os empreendimentos.

Após o início das obras, a projeção é de que num período entre 3 e 5 anos o novo complexo nos Campos de Palmas esteja produzindo 200 Megawatts, através de 100 torres, com 150m metros de altura. através dos parques Campo Alegre, Pederneiras, Santa Cruz, Santa Maria, São Francisco, Taipinha e Tradição

O empreendimeno prevê investimento superior a R$1,2 bilhões. O trabalho vem sendo realizado há mais de 7 anos pelas empresas brasileiras Vento Sul Energia, Cia Ambiental, Enerbios – Energias Sustentáveis e a alemã Inno Vent Wind Energy Wordwild.


Fonte: www.ambienteenergia.com.br 

Comentários desta notícia

Publicidade