Publicidade
MEIO FILTRANTE - Produção no pré-sal sobe 2,3% e registra novo recorde, diz ANP

Esta notícia já foi visualizada 542 vezes.

Produção no pré-sal sobe 2,3% e registra novo recorde, diz ANP

Data:5/6/2018

A produção do pré-sal em abril totalizou 1,785 milhão de boe/d em abril superando os 1,763 MMboe/d produzidos em fevereiro. Produção no pré-sal correspondeu a 54,4% do total produzido no Brasil.

Houve um aumento de 2,3% em relação ao mês anterior. Foram produzidos 1,423 milhão de barris de petróleo por dia e 58 milhões de metros cúbicos diários de gás natural por meio de 86 poços. A produção no pré-sal correspondeu a 54,4% do total produzido no Brasil, de acordo com dados divulgados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Os poços do pré-sal são aqueles cuja produção é realizada no horizonte geológico denominado pré-sal, em campos localizados na área definida no inciso IV do caput do artigo 2º da Lei nº 12.351/2010.

Produção Nacional — Em abril de 2018, a produção de petróleo e gás do País foi de aproximadamente 3,281 milhões de barris de óleo equivalente por dia.

Foram produzidos 2,597 milhões de barris de petróleo por dia (bbl/d), um aumento de 1,5% na comparação com o mês anterior e de 2,3%, se comparada com abril de 2017.

Já a produção de gás natural totalizou 109 milhões de m³ por dia, um aumento de 1,7% em comparação ao mês anterior e de 6%, se comparada com o mesmo mês de 2017.

Os dados de produção de abril estão disponíveis na página do Boletim Mensal da Produção de Petróleo e Gás Natural da ANP: http://www.anp.gov.br/publicacoes/boletins-anp/2395-boletim-mensal-da-producao-de-petroleo-e-gas-natural.

Aproveitamento do gás natural — O aproveitamento de gás natural no Brasil no mês de abril alcançou 96,9% do volume total produzido. Foram disponibilizados ao mercado 59,7 milhões de metros cúbicos por dia.

A queima de gás totalizou 3,4 milhões de metros cúbicos por dia, um aumento de 3% se comparada ao mês anterior e de 3,6% em relação ao mesmo mês em 2017.

Campos produtores — O campo de Lula, na Bacia de Santos, foi o maior produtor de petróleo e gás natural. Produziu, em média, 898 mil bbl/d de petróleo e 38 milhões de m3/d de gás natural.

Os campos marítimos produziram 95,6% do petróleo e 82,9% do gás natural — A produção ocorreu em 7.519 poços, sendo 727 marítimos e 6.792 terrestres. Os campos operados pela Petrobras produziram 94,1% do petróleo e gás natural. Estreito, na Bacia Potiguar, teve o maior número de poços produtores: 1.055. Marlim Sul, na Bacia de Campos, foi o campo marítimo com maior número de poços produtores: 94.

A FPSO Cidade de Saquarema, produzindo no campo de Lula, foi a instalação com maior produção de petróleo. Produziu 149,6 Mbbl/d por meio de 7 poços a ela interligados.

A instalação Polo Arara, produzindo nos campos de Arara Azul, Araracanga, Carapanaúba, Cupiúba, Rio Urucu e Sudoeste Urucu, por meio de 36 poços a ela interligados, produziu 7,9 MMm3/d — e foi a instalação com maior produção de gás natural, destaca a reguladora.

Em abril de 2018, 300 áreas concedidas, uma área de cessão onerosa e uma de partilha, operadas por 29 empresas, foram responsáveis pela produção nacional. Destas, 77 são marítimas e 225 terrestres. Vale ressaltar que, do total das áreas produtoras, sete são relativas a contratos de áreas contendo acumulações marginais.

O grau API médio foi de 27,2, sendo 39,6% da produção considerada óleo leve (>=31°API), 46,3% óleo médio (>=22 API e <31 API) e 14,1% óleo pesado (<22 API).

— As bacias maduras terrestres (campos/testes de longa duração das bacias do Espírito Santo, Potiguar, Recôncavo, Sergipe e Alagoas) produziram 116,6 mil boe/d, sendo 92,4 mil bbl/d de petróleo e 3,8 milhões de m³/d de gás natural. Desse total, 111,8 mil barris de óleo equivalente por dia foram produzidos pela Petrobras e 4,8 mil boe/d por concessões não operadas pela Petrobras, sendo 345 boe/d em Alagoas, 2.155 boe/d na Bahia, 42 boe/d no Espírito Santo, 2.022 boe/d no Rio Grande do Norte e 216 boe/d em Sergipe— conclui a ANP.



Fonte: www.revistafatorbrasil.com.br

Comentários desta notícia

Publicidade