Publicidade
MEIO FILTRANTE - Acciona compromete-se a reduzir a emissão de gases de efeito estufa em 16% até 2030

Esta notícia já foi visualizada 208 vezes.

Acciona compromete-se a reduzir a emissão de gases de efeito estufa em 16% até 2030

Data:27/7/2018

Empresa é a primeira da Espanha a ter metas de redução de emissões validadas pela iniciativa Science Based Targets

 
A ACCIONA - empresa global de origem espanhola, líder em promoção, desenvolvimento e gestão de infraestruturas, água, serviços e energia renovável - estabeleceu a meta de reduzir em 16% as emissões de gases de efeito estufa (GEE) até 2030.  O compromisso terá a validação e a medição em base científica da Science Based Targets (SBT), iniciativa liderada pelo CDP - o Pacto Global da ONU -, pelo World Resources Institute (WRI), WWF e We Mean Business. A SBT auxilia as empresas a estabelecerem metas climáticas para redução do efeito estufa e para limitar o aquecimento global a menos de 2ºC. 

Desta forma, a ACCIONA torna-se a primeira empresa da Espanha a ter esta meta validada pela Science Based Targets (SBT). Este compromisso e a decisão de medir a meta por critérios científicos estão no marco do Plano Diretor de Sustentabilidade 2020 da Acciona, assim como a decisão de adotar a meta estabelecida no Acordo de Paris. 


A ambição de reduzir as emissões de GEE em 16% está alinhada ao compromisso de sustentabilidade da ACCIONA e à utilização de métricas rigorosas, mensuráveis e globalmente aceitas, certificadas por uma instituição científica como a SBT, o que garante uma certificação de qualidade à política de descarbonização da empresa. Desta forma, busca-se garantir métricas reais dos esforços realizados pelas empresas, com critérios de medição que aumentam a credibilidade das conquistas. 

“Estamos satisfeitos com o fato da ACCIONA ter estabelecido uma meta baseada na ciência, alinhada à ciência climática e ao Acordo de Paris”, afirmou Lila Karbassi, Chefe de Programas do Pacto Global das Nações Unidas. “Ao dar esse passo, a ACCIONA se comprometeu a reduzir as emissões da produção de sua infraestrutura e a fornecer a seus clientes uma fonte de energia mais limpa. Essas ações mostram liderança na criação de um futuro de energia verde e na transição para uma economia de baixo carbono”.

Neutralidade na emissão de carbono
 

Na conferência climática de Paris, a ACCIONA deu um passo à frente em seu compromisso de descarbonização, ao se comprometer a ser uma empresa neutra em carbono a partir de 2016.


Além de seus esforços para reduzir as emissões de GEE a cada ano, a empresa compensa o saldo líquido de emissões de suas atividades usando certificados de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) reconhecidos pela ONU. Desta forma, a empresa compensa o impacto ambiental de sua atividade contribuindo para a criação de um mercado eficaz de certificados de emissões, como uma ferramenta essencial para a descarbonização do mundo.
 

A ACCIONA participa do desenvolvimento de projetos de combate às mudanças climáticas, com oito projetos no México, Índia, Chile e Costa Rica registrados no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL). A empresa também participa do mercado de carbono voluntário por meio do programa Verified Carbon Standard (VCS), com dois projetos de energia eólica nos EUA.
 

No ano passado, a empresa evitou a emissão de 14,4 milhões de toneladas de CO2 graças à geração de eletricidade exclusivamente a partir de fontes renováveis. Sua atividade comercial produziu 1,2 milhão de toneladas de emissões, compensadas pela empresa dentro de sua política de neutralidade de carbono e reduzindo sua intensidade energética (consumo de energia por milhão de euros de receita) de 2,68 TJ para 2,63 TJ.
 

O trabalho da ACCIONA contra a mudança climática foi reconhecido por meio de sua inclusão em índices e classificações de sustentabilidade, como CDP Climate, CDP Water Security e CDP Supply Chain, FTSE4Good, STOXX Global Climate Change Index, Ethibel Sustainability Index e a lista "2018 Global 100 Most Sustainable Corporations in the World”, entre outros.


Fonte: Assessoria de imprensa

Comentários desta notícia

Publicidade