Publicidade
MEIO FILTRANTE - Mais ar-condicionado em ônibus urbano puxa crescimento da Reparts em 2018

Esta notícia já foi visualizada 384 vezes.

Mais ar-condicionado em ônibus urbano puxa crescimento da Reparts em 2018

Data:27/7/2018

Divisão da Valeo Thermal Bus prevê crescer 20% 

REDAÇÃO AB
 
A Reparts, divisão da Valeo Thermal Bus responsável pela distribuição de peças de reposição para ar-condicionado na América Latina, projeta crescimento de 20% nas vendas este ano com a maior demanda por sistemas de climatização para a frota de ônibus urbanos no Brasil, o que também aumenta a necessidade de componentes para reposição. 

“A adoção do ar-condicionado em ônibus urbanos tende a crescer ainda mais, pois menos de 20% dos veículos em circulação nas principais cidades brasileiras contam com o equipamento. Essa tendência fará com que o mercado cresça significativamente nos próximos anos”, destaca o diretor-geral da Reparts, Diogo Vanassi.

No portfólio da Reparts estão ventiladores, compressores, válvulas, filtros, controladores e componentes elétricos e eletrônicos para ar-condicionado. Além dos frotistas e operadores de transportes, a empresa fornece para os segmentos de veículos comerciais, agrícola e montadoras independentes de sistemas de ar-condicionado. Possui três centros de distribuição localizados em Caxias do Sul (RS), onde está a sede da empresa, além de Toluca, no México, e Buenos Aires, na Argentina. No Brasil, a rede autorizada conta com 94 pontos, além de outros 27 em diferentes países da América Latina, como Argentina, Paraguai, Chile, Colômbia, México, Peru e Uruguai.

Para o executivo, o principal obstáculo para um crescimento ainda maior da empresa são as empresas que vendem peças recondicionadas, que para ele inicialmente parecem ser uma opção econômica e eficiente para a redução dos custos de manutenção, mas pelo desempenho e vida útil inferiores, precisam ser substituídos em prazos muito menores. 

A utilização de componentes recondicionados, sem padrões específicos de qualidade e desempenho, causa defeitos no equipamento e reduz a sua eficiência. “O resultado é que depois da substituição dos componentes originais pelos recondicionados o ar-condicionado não refrigera adequadamente, tem ruído muito maior, reduz o nível de conforto dos veículos e gera até prejuízos a médio e longo prazos para os frotistas”, avalia.

Os principais componentes recondicionados comercializados no mercado são os ventiladores, embreagens e compressores. “Existem casos de incêndio em ônibus em razão do superaquecimento do chicote devido ao uso de ventiladores recondicionados, que podem ocasionar a oscilação da voltagem do circuito elétrico do veículo”, alerta.



Fonte: www.automotivebusiness.com.br

Comentários desta notícia

Publicidade