Publicidade
MEIO FILTRANTE - Centro de Distribuição da Coca-Cola FEMSA Brasil em Sumaré opera em equilíbrio com o meio ambiente

Esta notícia já foi visualizada 249 vezes.

Centro de Distribuição da Coca-Cola FEMSA Brasil em Sumaré opera em equilíbrio com o meio ambiente

Data:19/10/2018

Unidade mantém programa de gestão de resíduos e investe para melhorar a eficiência no consumo de energia elétrica com o uso de tecnologias mais sustentáveis e econômicas

Inaugurado em 2014, o Centro de Distribuição (CD) da Coca-Cola FEMSA Brasil em Sumaré é exemplo de integração da sustentabilidade à estratégia de negócios da empresa. Maior engarrafadora de produtos Coca-Cola no mundo em volume de vendas, a companhia conduz suas ações em mais de uma dezena de países com um enfoque sustentável e esse compromisso se estende às operações da unidade sediada na Região Metropolitana de Campinas (RMC). Desde a concepção de suas instalações ao cotidiano de suas atividades, o centro logístico em Sumaré vem contribuindo para o imprescindível cuidado com o meio ambiente.

Localizado no bairro Jardim Aclimação em uma área de 113 mil m² (equivalente a 16 campos de futebol) e com fácil acesso à malha rodoviária formada pelas rodovias Anhanguera, Dom Pedro e Bandeirantes, o CD da Coca-Cola FEMSA Brasil concentra as atividades de recepção e distribuição dos produtos fabricados pela empresa para pontos de venda (supermercados, bares, padarias, lanchonetes, restaurantes) nas vinte cidades da RMC e municípios vizinhos, como Mogi Mirim, Limeira, Piracicaba e Rio Claro, entre outros.

Quando da elaboração do projeto arquitetônico do empreendimento, a empresa já buscou implementar soluções que contribuíssem para a maior eficiência no consumo de energia elétrica por meio do melhor aproveitamento da luz natural. Por exemplo, a instalação de telhas translúcidas na cobertura do armazém da unidade permite ampla iluminação do local em boa parte do dia com uso exclusivo da luz solar, sem a necessidade de lâmpadas.

Energia elétrica para quase 200 casas

Em continuidade às ações para o melhoramento da eficiência energética, outras medidas foram tomadas no CD de Sumaré desde março de 2017 com o propósito de reduzir o consumo de energia elétrica no local.

Em áreas como os prédios administrativo e de distribuição, o setor de reembalagem, parte do pátio de estacionamento e tráfego de caminhões, além de todo o armazém, a iluminação por lâmpadas de vapor metálico com reator foi completamente substituída por lâmpadas de LED – reconhecidamente mais econômicas, mais eficientes e com menor impacto ambiental. O investimento na substituição (considerando aquisição dos dispositivos, serviços de instalação e manutenção) foi da ordem de R$ 120 mil.

A adoção dessa tecnologia, além do benefício de ser sustentável (o LED não possui em sua composição metais pesados e nocivos ao meio ambiente, como chumbo e mercúrio, encontrados em outras luminárias), permitiu à unidade diminuir o consumo de energia em aproximadamente 46% e obter expressiva melhora nos níveis de iluminação.

A redução de 30 mil KW/H mês na conta de energia alcançada com a medida equivale ao consumo mensal de 187,5 residências brasileiras – considerando o consumo médio de 160 kwh/mês de uma residência no Brasil, conforme o Anuário Estatístico de Energia Elétrica 2017-ano base 2016, do Ministério de Minas e Energia.

A utilização de fotocélula para automatizar o acionamento de iluminadores na área externa do complexo também colabora para se evitar o desperdício de energia, já que o dispositivo mantém a iluminação acionada somente no período noturno – desligando-se automaticamente ao amanhecer – ou em situações de baixa luminosidade.

Como o êxito do emprego de tecnologias mais eficientes de iluminação também depende dos hábitos de quem faz uso delas, campanhas para disseminar e incentivar o uso racional de energia elétrica entre os 715 colaboradores da unidade são realizadas periodicamente via e-mail informativo distribuído na intranet da empresa e contribuem para formar consumidores cada vez mais conscientes de seu importante papel nos esforços globais da empresa em benefício da sustentabilidade energética.

“Operar em equilíbrio com o meio ambiente é parte fundamental da nossa estratégia de sustentabilidade, razão pela qual trabalhamos na melhoria constante de nossos processos, reduzindo e fazendo uso eficiente dos recursos necessários para nossas atividades”, enfatiza Wanessa Scabora, Gerente de Sustentabilidade da Coca-Cola FEMSA Brasil.



Gestão eficaz de resíduos

Destaca-se também no CD de Sumaré o programa para administrar de maneira eficaz os resíduos derivados de suas atividades. Por meio da coleta seletiva implantada na unidade, são separados em caçambas: lixo orgânico e de varrição proveniente do refeitório e dos serviços de limpeza; sucatas de alumínio; papelão, plástico PET, vidro e ferro. Uma empresa contratada oferece o suporte para a coleta e o transporte dos resíduos orgânicos, que são destinados para um aterro sanitário enquanto que as sucatas seguem para a reciclagem.

Ainda de acordo com as diretrizes da Coca-Cola FEMSA Brasil em relação ao descarte responsável, a unidade também faz a separação e a remoção adequada de lâmpadas fluorescentes substituídas por LED. Os dispositivos inutilizados são recolhidos por um prestador de serviço especializado no manejo desse tipo de produto. O trabalho é monitorado via Certificado de Destinação Final (CDF), documento que comprova e controla a destinação ambientalmente correta dos resíduos.

Todo esse processo contribui ainda para o desenvolvimento de fornecedores de reciclagem e para a reincorporação de materiais reciclados a processos produtivos, assegurando que os materiais não aproveitáveis sejam descartados em aterros sanitários autorizados.

Em média, mensalmente são separadas e destinadas de forma ambientalmente segura 35 toneladas de resíduos orgânicos e 11 toneladas de resíduos inorgânicos provenientes da operação da unidade, tais como filme de polietileno, sucata de papelão, plástico, ferro, vidro e alumínio. Por ano, estima-se, portanto, que sejam adequadamente manejadas em torno de 500 toneladas provenientes de resíduos orgânicos e sucatas – quantidade que daria para encher cerca de vinte carretas.

Em seu quarto ano de atividades, o Centro de Distribuição já planeja os próximos passos para seguir avançando em seu propósito de operar cada vez mais em equilíbrio com o meio ambiente. A instalação de um sistema de captação de água da chuva para reaproveitamento em limpeza de calçadas e na irrigação do jardim, e a redução na utilização de toalhas de papel nos banheiros são projetos previstos para a unidade.



Outras ações ajudam a preservar água na região

Além das iniciativas no CD de Sumaré, a Coca-Cola FEMSA Brasil vem implementando na região outras relevantes ações previstas em sua política de meio ambiente, como a otimização do consumo de água em sua fábrica localizada no município de Jundiaí, a maior do mundo em produção do refrigerante. A unidade adotou melhores práticas para reduzir substancialmente o consumo hídrico, ao mesmo tempo em que aprimorou sua gestão.

Hoje, a fábrica de Jundiaí é uma das mais eficientes do país no consumo de água para fabricação de bebidas e referência mundial em relação à eficiência hídrica. A planta, em mais de duas décadas (1993-2014), reduziu de 6 para 1,4 litro a quantidade de água utilizada para cada litro de bebida produzida. Esse índice representa a quantidade do recurso utilizada em todo o processo produtivo e não somente a água que compõe o refrigerante.

As medidas que permitiram a redução do consumo foram implantadas por meio de investimentos da ordem de US$ 5 milhões nas linhas de produção, para o melhor aproveitamento da água, troca de equipamentos e reuso de água nos processos industriais, além de campanhas de conscientização entre os colaboradores.

Quanto ao descarte, vale ressaltar que a água utilizada na produção, depois de tratada em uma estação da própria fábrica, conforme legislação vigente é encaminhada também à CSJ (Companhia de Saneamento de Jundiaí), que faz um tratamento complementar. Desse modo, o que não vai para a garrafa volta ao meio ambiente limpo e tratado.

Por causa dessas iniciativas, a fábrica de Jundiaí recebeu em 2015 o “Troféu Planeta”, da Coca-Cola Brasil, na categoria “Água”, e, no ano seguinte, o Prêmio de Conservação e Reuso de Água, da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), promovido anualmente em reconhecimento às melhores práticas do setor industrial.

Ainda no que diz respeito à conservação do recurso hídrico, destaca-se a parceria da Coca-Cola FEMSA Brasil com a organização não-governamental internacional The Nature Conservancy (TNC), organização ambiental líder no mundo, coordenadora da Coalizão Cidades pela Água, que tem o objetivo de ampliar a segurança hídrica para 60 milhões de brasileiros em 12 regiões metropolitanas.

A companhia faz parte da Coalizão desde seu lançamento, em novembro de 2015, e em conjunto com outras empresas estão apoiando ações voltadas à proteção de nascentes nas bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), como a restauração de florestas em áreas de mananciais, o apoio a políticas públicas para a recuperação florestal e o engajamento do produtor rural na preservação das fontes de água.

Em outra demonstração de seu compromisso com o uso responsável da água, a Coca-Cola FEMSA Brasil tornou-se, no início de 2017, a primeira das empresas privadas instaladas na bacia do Rio Jundiaí a filiar-se ao Consórcio PCJ, passando a contribuir, com sua expertise, no fortalecimento do trabalho da entidade e dos demais consorciados na gestão das águas das bacias do PCJ – desse modo estendendo para uma ampla comunidade nessa região os benefícios de sua atuação como empresa líder em sustentabilidade.



Sobre a Coca-Cola FEMSA

A mexicana Coca-Cola FEMSA é a maior engarrafadora do mundo em volume de vendas. A empresa produz e distribui bebidas das marcas registradas da The Coca-Cola Company, oferecendo um amplo portfólio de 169 marcas para mais de 396 milhões de consumidores a cada dia. Com mais de 100 mil funcionários, a empresa vende cerca de 4 bilhões de caixas unitárias por meio de 2,8 milhões de pontos de venda por ano. Operando 67 fábricas e 344 centros de distribuição, a Coca-Cola FEMSA está comprometida com a criação de valor econômico, social e ambiental para todos os seus grupos de interesse em toda a cadeia de valor.

A companhia é membro do Índice de Sustentabilidade de Mercados Emergentes da Dow Jones, Índice de Sustentabilidade MILA Pacific Alliance da Dow Jones, FTSE4Good Emerging Index, dos índices IPC e de Responsabilidade Social e Sustentabilidade da Bolsa Mexicana de Valores, entre outros índices. Tem operações em determinados territórios no México, Brasil, Colômbia, Argentina e Guatemala, e a nível nacional na Nicarágua, Costa Rica, Panamá, Uruguai, Venezuela e Filipinas.

No Brasil, a empresa está presente como Coca-Cola FEMSA Brasil em 48% do território nacional, empregando cerca de 20 mil funcionários e atendendo mais de 88 milhões de consumidores, distribuídos nos estados de São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e em parte do estado de Goiás. No Brasil, são 9 fábricas, 44 centros de distribuição, 24 Cross Dockings e 21 Cross Trucks, sendo a unidade de Jundiaí (SP) a maior no mundo em volume de vendas em produtos Coca-Cola.

Empresa associada ao Consórcio PCJ

A Coca-Cola FEMSA Brasil foi apresentada como nova empresa associada ao Consórcio PCJ durante a 79ª Reunião Plenária da entidade que aconteceu em março de 2017. A empresa é uma das mais eficientes do país no consumo de água para fabricação de bebidas, além de ser a primeira entre as empresas privadas presentes na Bacia do Rio Jundiaí a filiar-se ao Consórcio PCJ.  As empresas passaram a participar do Consórcio PCJ em 1999 com o objetivo de integrar o segmento empresarial às atividades gerais, através de encontros técnicos periódicos e atividades de consultoria nas áreas de: gestão de recursos hídricos, saneamento, reflorestamento, resíduos sólidos, educação ambiental, elaboração de projetos e captação de recursos, mercado de carbono e reuso da água.



Fonte: www.agua.org.br

Comentários desta notícia

Publicidade