Publicidade
MEIO FILTRANTE - Grupo Energisa assume distribuidora de Rondônia

Esta notícia já foi visualizada 195 vezes.

Grupo Energisa assume distribuidora de Rondônia

Data:5/11/2018

Aquisição consolida estratégia de crescimento da companhia e sua operação no Norte do país; Grupo fará aumento de capital de mais de R$ 280 milhões na empresa e investirá, em 2019, cerca de R$ 470 milhões.

O Grupo Energisa assume no dia 30 de outubro (terça-feira), o controle da Eletrobras Distribuição Rondônia (antiga CERON - Centrais Elétricas de Rondônia), que foi adquirida em leilão realizado pelo BNDES, na B3, em agosto deste ano. Com a aquisição, a Energisa passa a contar com 10 distribuidoras, que atenderão a 7,3 milhões de clientes, em 840 municípios de 10 estados, em todas as regiões do Brasil. A área atendida pela empresa representa, agora, mais de 20% do território nacional e abrange quase 10% da população brasileira.

A aquisição está em linha com a estratégia de crescimento da Energisa e reforça a política de sinergia entre concessões do Grupo, buscando ativos em estados próximos às suas operações. Segundo o presidente da companhia, Ricardo Botelho, a nova distribuidora passará por uma série de mudanças para recuperar a saúde financeira e operacional, a exemplo do que foi feito com concessionárias adquiridas pelo Grupo nos últimos anos, tanto em processos de privatização como de recuperação judicial.

“A Energisa tem em seu histórico a recuperação e transformação de distribuidoras em dificuldades financeiras e operacionais e que hoje estão entre as melhores do Brasil. Somos especialistas em recuperar empresas e temos profundo conhecimento dos desafios e necessidades do setor elétrico. Usaremos toda nossa experiência para entregar uma energia de qualidade para o estado e tornar a distribuidora de Rondônia uma das melhores do país”, afirma o executivo.

Botelho explica que as prioridades serão a retomada da sustentabilidade da concessão, a melhoria da qualidade dos serviços, o atendimento às regiões ainda não plenamente atendidas, a redução do furto de energia e a modicidade tarifária. “Iremos focar na solução dos grandes problemas financeiros da concessão. Vamos mudar o perfil da dívida da empresa e disponibilizar recursos para investimentos imediatos. Assim, conseguiremos regularizar e normalizar as operações, garantindo a continuidade dos serviços. Também iniciaremos um amplo programa para transformação da gestão operacional e alcançaremos um equilíbrio financeiro sustentável para a distribuidora”, diz.

Para melhorar a saúde financeira da concessionária e regularizar dívidas, a Energisa já aportou R$ 254 milhões na distribuidora de Rondônia, num aumento de capital que poderá alcançar R$282 milhões, caso os empregados optem por participar dessa capitalização. Também serão adiantados recursos, pela holding do Grupo Energisa, de até R$1,2 bilhão para pagamento de dívidas com fornecedores, principalmente referente à compra de energia pendente na CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica) desde setembro de 2016. A CERON nos últimos três anos acumulou R$ 4,1 bilhões em prejuízos (posição de junho de 2018) e possui uma dívida, após capitalização realizada pela Eletrobras, prevista no processo de privatização, de R$ 2 bilhões, incluindo fornecedores.

Em 2019, a Energisa planeja investir no estado, aproximadamente, R$ 470 milhões, visando melhorar a qualidade do serviço para os consumidores e expandir o sistema de distribuição para as regiões ainda não atendidas. Esse montante é mais que o dobro do investido pela CERON em 2017. Os aportes abarcam, por exemplo, a expansão do sistema de distribuição para as regiões atendidas pelo sistema isolado, a ampliação e modernização dos sistemas, a construção de novas subestações, a capacitação de equipes, a ampliação do atendimento e da logística na região e a melhoria dos canais de atendimento ao cliente. “A CERON está hoje entre as cinco piores distribuidoras no ranking de qualidade da Aneel, o que demonstra a baixa eficiência da distribuidora. Esses investimentos certamente colocarão a empresa, em poucos anos, dentro dos limites regulatórios de qualidade e perdas elétricas da agência reguladora e melhorarão, sensivelmente, a qualidade do fornecimento de energia no estado, contribuindo para o desenvolvimento econômico e social da região”, reforça Botelho.

As melhorias no fornecimento de energia serão fundamentais para acompanhar o crescimento econômico de Rondônia, que deve ficar acima da média nacional este ano. “Vemos muito potencial de crescimento de consumo de energia no estado e vamos trabalhar fortemente para atender a uma demanda reprimida em Rondônia, causada pela falta de investimentos suficientes nos últimos anos. Ajudaremos a impulsionar o desenvolvimento da região, em linha com o compromisso que assumimos nos demais estados onde atuamos”, reforça Botelho, acrescentando que, com os investimentos, novas cargas deverão ser ligadas no médio prazo, o que irá contribuir para a eliminação dos gargalos no sistema de distribuição e o fim dos sistemas isolados no estado.

A nova empresa se soma a outras nove distribuidoras do Grupo em todo o país — Energisa Minas Gerais, Energisa Paraíba, Energisa Borborema, Energisa Sergipe, Energisa Nova Friburgo, Energisa Sul-Sudeste, Energisa Tocantins, Energisa Mato Grosso e Energisa Mato Grosso do Sul — que já atendem a uma população total de cerca de 16 milhões de pessoas. A operação consolida a Energisa, a mais antiga companhia do setor de distribuição de energia no país, com 113 anos, como a 5ª em número de clientes.

Como ficará o Grupo Energisa após a aquisição da distribuidora de Rondônia: dez concessões de distribuição, em 840 municípios, em todas as regiões do país | .1.868 mil km² de área de concessão de distribuição | . 22% do território nacional;|. 671 subestações | . 19.202 km de linhas de transmissão | . 580.343 km de linhas de distribuição | . 7,3 milhões de unidades consumidoras atendidas | . Mercado de 32.641 GWh (antes 29.605 Gwh)| . R$ 13,4 bi em receita líquida.

Perdas — Uma das prioridades da Energisa no estado é a redução das perdas de energia. Em Rondônia, o percentual chega a 28,3%, somando perdas técnicas e furtos, o que coloca a empresa entre as distribuidoras com maior índice de perdas elétricas do país.

As distribuidoras do Grupo Energisa são referência no combate às perdas de energia e o objetivo é replicar nas novas empresas iniciativas que já deram certo em outros estados. No consolidado de todas as empresas do Grupo Energisa, o índice de perdas totais, anualizada, é de 11,86% (dado de junho de 2018).

Qualidade — Há um grande potencial para a melhoria dos indicadores de qualidade da distribuidora. Tanto o DEC (duração das interrupções) quanto o FEC (quantidade de interrupções) estão acima dos limites regulatórios. A experiência do Grupo Energisa prova ser possível realizar essas mudanças. Ao adquirir o Grupo Rede, em 2014, as empresas apresentavam níveis de qualidade críticos e bem acima das metas regulatórias previstas pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). Ainda assim, de abril de 2014 a junho de 2018, houve reduções significativas desses indicadores, com destaque para o FEC da Energisa Mato Grosso (reduziu em 50%) e o DEC da Energisa Tocantins (reduziu em 36%). A perspectiva da empresa é replicar o mesmo modelo de sucesso na concessão de Rondônia.

Experiência diferenciada — As distribuidoras do Grupo Energisa são referência nacional em qualidade dos serviços e do atendimento aos clientes, acumulando premiações e bons indicadores operacionais graças a pesados investimentos em diferentes frentes, como inovação, capacitação de pessoas e melhorias operacionais contínuas.

Este ano, as empresas do Grupo ganharam nove prêmios Abradee, um dos mais importantes do setor elétrico, inclusive o de melhor distribuidora do Brasil, na categoria de empresas com mais de 500 mil clientes, vencida pela Energisa Sul-Sudeste, a melhor do Nordeste, com a Energisa Paraíba, e a melhor do Centro-Oeste, com a Energisa Mato Grosso. Já na categoria de até 500 mil clientes saíram vencedoras as concessionárias Energisa Minas Gerais, Nova Friburgo e Borborema. O Grupo Energisa também conquistou este ano o selo Great Place to Work (GPTW) em todas as suas empresas, o que significa que os colaboradores têm alto índice de confiança e satisfação na empresa. O certificado é conferido às empresas com notas superiores a 70% na pesquisa.

Além disso, o Grupo é um dos mais inovadores do setor, segundo a revista Valor Inovação, do Valor Econômico. O Grupo tem uma grande área interna focada na criação de soluções e tecnologias voltadas para melhorar processos e serviços dentro e fora da empresa. A Energisa valoriza e incentiva também parcerias com universidades e startups com foco em Inovação. A empresa foi ainda eleita, este ano, a melhor empresa do setor elétrico brasileiro pela revista IstoÉ Dinheiro.



Fonte: http://www.revistafatorbrasil.com.br

Comentários desta notícia

Publicidade