Publicidade
MEIO FILTRANTE - GE patrocina Fórum de Cooperação em Infraestrutura de Energia em Pequim

Esta notícia já foi visualizada 158 vezes.

GE patrocina Fórum de Cooperação em Infraestrutura de Energia em Pequim

Data:8/11/2018

O Fórum de Cooperação em Infraestrutura de Energia de 2018, co-patrocinado pela GE e pela Caixin Media, foi realizado dia 1º de novembro (quinta-feira), em Pequim. Cerca de 700 especialistas do setor se reuniram para compartilhar ideias e oportunidades, além de discutir a melhor maneira de levar benefícios efetivos para comunidades em regiões emergentes, principalmente, nos mercados abrangidos pela iniciativa Belt & Road, uma estratégia adotada pelo governo chinês, com foco no desenvolvimento da infraestrutura e investimentos em países da Europa, Ásia e África. Com a participação de autoridades do governo, representantes de empresas chinesas de EPC (engenharia, suprimentos e construção), usuários finais de projetos e financiadores, o fórum oferece uma visão abrangente do setor de infraestrutura de energia.

Em seu quinto ano, o GE-Caixin é o primeiro fórum chinês do setor privado que discute como empresas chinesas de infraestrutura podem empregar melhores práticas para se tornarem globais. Com a iniciativa Belt & Road originalmente anunciada em 2013, o fórum aproveitou a oportunidade para refletir sobre a execução de projetos nos últimos cinco anos nas regiões. Especialistas do setor foram convidados a discutir seus pontos de vista em sub-fóruns sobre ecologia de mercado para as regiões da América Latina, Oriente Médio e Ásia, bem como soluções turnkey para desenvolvimento de mercado, cooperação de projetos e financiamento. Durante todo o processo, os participantes falaram sobre casos de sucesso, ao mesmo tempo em que reconheceram os desafios trazidos por um mundo de crescente incerteza geopolítica, buscando identificar soluções em conjunto.

"Os últimos cinco anos foram uma jornada incrível para nós e nossos parceiros, pois pudemos nos unir a líderes de todo o ecossistema da Belt & Road neste fórum", diz Rachel Duan, presidente e CEO da GE China. “Juntos, construímos parcerias que aproveitaram os recursos de tecnologia, engenharia e financiamento de vários participantes globais, para trazer energia e benefícios econômicos tangíveis às comunidades do Belt & Road”, explica. “Nos unimos também para inovar em modelos de negócios e maneiras de trabalhar em diferentes regiões, para que possamos desenvolver infraestrutura de energia nesses mercados. Estou confiante de que nossos aprendizados nos ajudarão a impulsionar ainda mais a cooperação no setor de infraestrutura de energia e a abrir um capítulo ainda mais emocionante nos próximos cinco anos”, finaliza.

Conquistas e benefícios reais — Desde que a GE começou a trabalhar com EPCs chineses há mais de 20 anos, foram entregues mais de 35GW de energia para mercados emergentes por meio dessas parcerias, com um adicional de 20GW em andamento ou comprometidos com base em pedidos até o primeiro semestre de 2018. Quase dois terços desses pedidos foram realizados nos últimos cinco anos, estimulados por EPCs chineses cada vez mais globais sob a iniciativa Belt & Road.

Desde o lançamento da iniciativa Belt & Road, quase 100 países e institutos internacionais se comprometeram a apoiar e se envolveram no crescimento dos mercados ao longo da região, com projetos referência já concluídos ou em andamento. Os participantes do fórum concordaram que o sucesso contínuo do Belt & Road exige que empresas entreguem resultados tangíveis para as comunidades locais, com soluções economicamente e ambientalmente sustentáveis. O encontro foi uma oportunidade para revisar projetos dos últimos cinco anos, o impacto que geraram para as comunidades locais e as razões pelas quais esses projetos foram bem-sucedidos.

Uma área de demonstração no fórum apresentou mais de doze projetos de destaque, incluindo o Projeto Hassyan de carvão limpo e a usina de ciclo combinado Bhikki. A usina Hassyan ganha destaque por ser a primeira usina de carvão limpo do Oriente Médio com tecnologia de carvão ultra-supercrítico e avançados sistemas de controle ambiental da GE, bem como financiamento do Silk Road Fund. Já a planta Bhikki é o primeiro projeto na Ásia a usar unidades de turbina a gás GE 9HA com um prazo de apenas 17,5 meses para completar o projeto para geração de energia conectada à rede. Somando 1.180 MW à rede nacional, a unidade atenderá às necessidades de eletricidade de até 2,4 milhões de lares paquistaneses. Para a região latino-americana foram apresentados os projetos da Termelétrica de Sergipe, projeto de interconexão no deserto do Atacama no Chile – SIC-SING, e também projetos em conjunto com a CTG para as usinas hidrelétricas de Jupiá e Ilha Solteira.

Novas parcerias e métodos de trabalho — As últimas edições do fórum discutiram a construção de um ecossistema de conhecimento compartilhado entre parceiros que trabalham juntos em projetos nas regiões de Belt & Road. Isso inclui a disseminação de conhecimento por meio de treinamentos, bem como novos métodos de trabalho. Para a capacitação, a GE forneceu programas de treinamento sob medida desenvolvidos na Crotonville China - filial chinesa do mundialmente renomado centro de desenvolvimento profissional da GE – abordando tópicos de Liderança e Equipe, Mercado e Tecnologia e Gerenciamento de Projetos.

Enquanto isso, novos métodos de trabalho propostos no fórum incluíam desenvolvimento de mercado conjunto, financiamento conjunto e operação conjunta. Esses esforços garantem que os projetos gerem benefícios de longo prazo para os mercados locais; que as empresas são capazes de explorar os mercados de capitais na China e compartilhar recursos financeiros globais; e que os EPCs podem participar das operações de novas instalações - aumentando a participação após a construção, aumentando as chances de financiamento. Neste ano, o fórum proporcionou a oportunidade para os participantes refletirem sobre o progresso nessas frentes.

Em linha com novas parcerias, o fórum proporcionou aos participantes a oportunidade de estabelecerem novos acordos para trabalhar juntos. A GE assinou uma série de novos acordos com parceiros no evento:

Usina alimentada a carvão India Godda: A GE e a SEPCO3, uma subsidiária da Power Construction Corporation of China (PowerChina), assinaram um contrato para o fornecimento do projeto de usina a carvão Godda-2x800MW da Índia. A GE fornecerá dois geradores de turbina a vapor ultra-supercríticos de 800MW que serão fornecidos em conjunto pela fábrica ABP da GE em Pequim, na China, e sua fábrica Sanand na Índia. A SEPCO3 fornecerá financiamento para construção e patrimônio. A planta, localizada na área de Gunda, em Jalang, na Índia, é desenvolvida pela Adani Power Co., Ltd., sob o modelo IPP. É o primeiro projeto de usina de energia ultra-supercrítica da Índia e o primeiro projeto da GE com um EPC chinês na Índia. A conclusão do projeto apoiará fortemente o desenvolvimento econômico local e melhorará a utilização dos recursos, ao mesmo tempo em que fornecerá energia confiável e eficiente para até 4 milhões de domicílios na vizinha Bangladesh.

Acordo de Serviços Thar Coal Block II: GE Power e Thar Energy Limited (TEL) — uma subsidiária da The Hub Power Company Limited (Hubco) — assinou um contrato de serviços de longo prazo para a usina de lenhite de 330 MW na Thar Coal Block II Sindh. A fábrica será construída pela China Machinery Engineering Corporation (CMEC). A GE fornecerá a turbina a vapor e a avançada tecnologia de caldeiras, fabricada nas unidades da GE na China e especialmente projetada para produzir energia usando lenhite das minas de Thar, no Paquistão, para apoiar os objetivos de segurança energética do país. Sob este novo contrato de serviços, a GE realizará todos os serviços e fornecerá as peças necessárias para as principais indisponibilidades de equipamentos referentes a caldeiras, turbinas e geradores. A empresa também fornecerá garantias de desempenho nos próximos 12 anos para reduzir os custos operacionais e de manutenção da TEL durante a vida útil da fábrica e fornecer energia eficiente e confiável para implantar a tecnologia digital e de ponta da GE de acordo com a abordagem comercial ideal. Após a conclusão, a TEL fornecerá aproximadamente 300 MW de eletricidade para a rede nacional, o equivalente para abastecer até 600 mil casas e indústrias paquistanesas. O projeto é um dos empreendimentos de infraestrutura apoiados pelo Corredor Econômico do China-Paquistão.

Parceria para projetos Fast Power: a GE estabeleceu uma parceria estratégica com a NEPC, uma subsidiária da China Energy Engineering Corporation (CEEC), para fornecer soluções competitivas para usinas aeroderivadas de clientes globais. Esse acordo incluirá o desenho padrão da planta, o desenvolvimento do projeto e suporte em vendas.

GE e CMEC unem forças no Iraque: a GE e a Sinomach, uma subsidiária da China Machinery Engineering Corporation (CMEC), assinaram um acordo para alavancar a força e a experiência de ambas as partes no Iraque para juntas, melhorar o acesso à eletricidade no país. O acordo se baseia nos Princípios de Cooperação (POC) que a GE assinou com o Ministério da Eletricidade do Iraque em outubro para desenvolver o setor de energia do país. O plano deve gerar até 14 gigawatts (GW) de energia, criar até 65 mil empregos diretos e indiretos, ajudar o governo a identificar economias e perdas recuperáveis ??de até US$ 3 bilhões por ano, estabelecer um centro de tecnologia local e contribuir com o acesso à saúde e água.

Demanda e soluções personalizadas — O fórum de 2018 observou que, apesar das notícias constantes de um mundo mais protecionista, a demanda global por energia persiste. À medida que as economias emergentes se tornam mais industrializadas, mais energia está sendo consumida para impulsionar esse crescimento. Os participantes do fórum concordaram que o principal desafio não será encontrar demanda, mas atender a necessidade de financiamento, lidar com o risco geopolítico e fornecer as soluções tecnológicas certas para as regiões certas.

Sessões de discussão no fórum abordaram essas questões, incluindo desenvolvimentos recentes, como a redução do custo das energias renováveis, o surgimento de projetos híbridos e a dinâmica em constante mudança nos países anfitriões. A combinação das necessidades do mercado e a evolução das capacidades tecnológicas afetam continuamente a forma como as empresas implementam projetos entre as regiões.

Reunindo esse conhecimento técnico com uma gama de perspectivas e experiências sobre como trabalhar nos mercados globais, os participantes do Fórum de Cooperação em Infraestrutura de Energia de 2018 esperam entregar soluções de energia para os mercados que mais precisam crescer.


Fonte: www.revistafatorbrasil.com.br

Comentários desta notícia

Publicidade