Publicidade
MEIO FILTRANTE - Com apoio de R$ 10 milhões do BNDES geradora de energia é inaugurada no Rio de Janeiro

Esta notícia já foi visualizada 179 vezes.

Com apoio de R$ 10 milhões do BNDES geradora de energia é inaugurada no Rio de Janeiro

Data:6/12/2018

Energia a partir do lixo, cuja tecnologia foi desenvolvida pela UFMG em parceria com a Methanum Tecnologia Ambiental Ltda. e a Comlurb.

Planta-piloto tem produção mensal de energia de biogás suficiente para mais de mil casas ou abastecer uma frota de aproximadamente mil carros.

Apoiada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) com R$ 10,36 milhões não reembolsáveis, uma planta-piloto de tratamento e aproveitamento energético do lixo orgânico foi inaugurada na segunda-feira, 3, na Estação de Transbordo da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) no bairro do Caju, no Rio. Resultado de um projeto que recebeu investimento total de R$ 11,66 milhões, a unidade entrou em operação no dia 27 de novembro.

A tecnologia, que extrai adubo e gás natural dos resíduos sólidos, foi desenvolvida pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em parceria com a Methanum Tecnologia Ambiental Ltda. e a Comlurb. Ligada à UFMG, a Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep) é beneficiária dos recursos do Fundo Tecnológico do BNDES (BNDES Funtec). Como interveniente da operação, a Methanum aportou uma contrapartida de aproximadamente R$ 1,3 milhão em recursos próprios.

O início da operação da planta-piloto permitirá testar os parâmetros de eficiência da tecnologia de metanização por compostagem anaeróbia e ampliar a escala. Com capacidade de tratamento de 30 toneladas por dia, a planta deverá gerar 100 metros cúbicos de gás por tonelada de resíduo orgânico tratado, com concentração entre 50% e 60% de metano. Estima-se que o biogás produzido mensalmente seja capaz de gerar energia suficiente para pouco mais de mil casas ou abastecer uma frota de mil carros.

A unidade é composta por módulos com o tamanho aproximado de um contêiner, que recebem o lixo e ficam lacrados por um período de duas a três semanas, enquanto as bactérias introduzidas no compartimento degradam a matéria orgânica e produzem metano. O gás é armazenado, enquanto o material remanescente é retirado e usado como fertilizante.

Os micro-organismos são pulverizados nos módulos por uma tubulação, com uso intensivo de eletrônica. Sensores e medidores permitem controlar e otimizar a produção de biogás. A planta conta ainda com um gerador para a produção de energia elétrica a partir da combustão do gás.

A estação da Comlurb no Caju foi escolhida por receber resíduos sólidos de bairros distintos, com diferentes padrões de consumo e produção de lixo, oferecendo diversidade suficiente para simular as condições de diferentes municípios brasileiros. Além disso, a Comlurb já tem usina de compostagem convencional com digestão aeróbia no local, permitindo a comparação do resultado das duas tecnologias.



Fonte: www.revistafatorbrasil.com.br

Comentários desta notícia

Publicidade