Publicidade
MEIO FILTRANTE - Lucro do Grupo Renault recua 35% em 2018

Esta notícia já foi visualizada 766 vezes.

Lucro do Grupo Renault recua 35% em 2018

Data:15/2/2019

Receita também cai e empresa prevê ganhos menores em 2019 

REDAÇÃO AB


O lucro do Grupo Renault recuou 35% em 2018 ao atingir € 3,45 milhões quando comparado com os € 5,31 milhões do ano anterior, informa em comunicado divulgado na quinta-feira, 14. A companhia diz em nota que este resultado se deve em parte à menor contribuição da Nissan, que teve ganhos excepcionais (não recorrentes) em 2017, como o valor de mais de € 1 milhão associado à reforma fiscal nos Estados Unidos, bem como os ganhos relacionados à cessão da sua participação na Calsonic Kansei. O faturamento também caiu na ordem de 2,3%, para € 57,5 bilhões, o que segundo a empresa, é reflexo de perdas cambiais.

Excluindo os efeitos cambiais, a receita teria aumentado 2,5%, segundo a Renault.

Em seu relatório, o grupo destaca a contribuição da Avtovaz para a margem operacional, que subiu para € 204 milhões contra € 55 milhões em 2017, atribuídos ao bom desempenho de novos modelos em um mercado que está se reerguendo a partir da racionalização dos custos.

Pela primeira vez em 13 anos a companhia divulga seu balanço sem o então presidente, Carlos Ghosn.

“O ano de 2018 foi claramente desafiador em que enfrentamos dificuldades esperadas e inesperadas”, disse o novo presidente Thierry Bolloré, acrescentando que os resultados “demonstram a resiliência do grupo”. O executivo assumiu o cargo no lugar Ghosn em 24 de janeiro.

Sob nova liderança, a Renault estabeleceu uma meta de lucro mais baixa para este ano, citando desafios cambiais e incertezas de mercado. Em 2019, tanto o mercado mundial de veículos como para o mercado europeu a empresa acredita que os volumes devem se manter estáveis na comparação com 2018.

Fora da Europa, a companhia acredita que o mercado russo deve ter uma alta de pelo menos 3% e aposta alto no mercado brasileiro, onde prevê crescimento de 10% do mercado de automóveis.



Fonte: www.automotivebusiness.com.br

Comentários desta notícia

Publicidade