MEIO FILTRANTE - Reunião de Cúpula do Brics em Brasília pode impulsionar RenovaBio, avalia Bento Albuquerque
Esta notícia já foi visualizada 741 vezes.



Reunião de Cúpula do Brics em Brasília pode impulsionar RenovaBio, avalia Bento Albuquerque

Data:29/10/2019

Com o programa, a expectativa é diminuir em 10% as emissões de gás carbônico no Brasil até 2028


19 ª Conferência Internacional DATAGRO Sobre Açúcar e Etanol

Na segunda-feira (28), durante a 19 ª Conferência Internacional DATAGRO Sobre Açúcar e Etanol, que acontece até terça-feira (29), em São Paulo (SP), o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou que o programa Renovabio deve aprofundar a cooperação internacional durante a Cúpula de Chefes de Estado do Brics ( grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) que ocorrerá, em novembro, em Brasília (DF).

“Temos que expandir este exitoso programa para outros países. Por meio da cooperação, da parceria, da transferência de tecnologia e de novos investimentos. Creio que, durante a Conferência dos BRICS, que ocorrerá em novembro, teremos uma excelente oportunidade para atrair novos parceiros”, disse o ministro.

Bento Albuquerque também explicou que o Renovabio pode ter um impacto direto no meio ambiente ao retirar CO2 (gás poluente) da atmosfera: “o grande resultado do programa será promover a retirada, como já mencionado diversas vezes, em 10 anos, de mais de 600 milhões de toneladas de CO2 da atmosfera por intermédio da produção e do uso de biocombustíveis”.

Para o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, o setor sucroenergético brasileiro é um exemplo de desenvolvimento sustentável e o Brasil precisa utilizar o etanol como modelo para o mundo. Salles lembrou que uma das prioridades da pasta é a qualidade ambiental urbana, sendo o etanol um aliado na qualidade do ar. “O nosso ar nos grandes centros urbanos não é ruim como é de outras grandes cidades de tamanho e população e, enfim, características parecidas com São Paulo e outras cidades do Brasil, graças ao etanol, graças ao carro a álcool, ao carro flex”, disse o ministro.   

Maior produtor mundial de cana-de-açúcar, o Brasil também é destaque na manufatura de etanol. De acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção de cana-de-açúcar deve chegar a 622 milhões de toneladas neste ano. Cerca de 65% desse total são para produção de etanol, que pode superar 30 bilhões de litros em 2019.

RenovaBio
Mais limpo e econômico, o etanol faz parte do Programa Renovabio, uma política de combustíveis do Governo Federal que entrará em vigor a partir de janeiro do ano que vem, com o intuito de colaborar na redução das emissões de gás carbônico na atmosfera.

No programa, toda a cadeira de produção será avaliada e a cada vez que a emissão de carbono for reduzida, os produtores podem emitir um título que passa a ser comercializado no mercado financeiro chamado de CBIO (crédito de descarbonização por biocombustíveis). Cada CBIO corresponde a 1 tonelada de carbono que deixa de ir para a atmosfera com a utilização de biocombustível, quando comparado com seu correspondente fóssil.

Com o Renovabio, a expectativa do governo é diminuir em 10% as emissões de gás carbônico até 2028. De acordo com o Ministério de Minas e Energia, o programa também deve contribuir com o aumento da produção brasileira de etanol para 50 bilhões de litros por safra nos próximos dez anos.

Cessão Onerosa
O ministro Bento Albuquerque também falou sobre a Cessão Onerosa, que trata da exploração dos excedentes de barris de petróleo na área que será leiloada na bacia de Santos em 6 de novembro. “O leilão é um processo que dura quase seis anos. Conseguimos com muito trabalho, esforço e diálogo viabilizar este leilão. O setor de óleo e gás do Brasil vai ter um ponto de reflexão depois deste leilão”, destacou Albuquerque.

A previsão é arrecadar R$ 106 bilhões em bônus de assinatura - quando o grupo vencedor assina o contrato de concessão com o governo -, caso as quatro áreas sejam arrematadas no leilão. Em 35 anos de exploração, o governo estima investimentos de R$ 1 trilhão nestes campos.

A Petrobras tem direito a receber pouco mais de R$ 33 bilhões pelo acordo feito com o Governo Federal, ao ceder, para serem licitadas, as áreas que estão sob seu direito de exploração. O restante da divisão será feito entre a União, estados, municípios, além do Rio de Janeiro, estado produtor.


Fonte: www.gov.br

Comentários desta notícia

Publicidade