MEIO FILTRANTE - Vendas de veículos leves anotam alta de 7,5% no ano e entram em estabilidade
Esta notícia já foi visualizada 784 vezes.



Vendas de veículos leves anotam alta de 7,5% no ano e entram em estabilidade

Data:4/11/2019

Foram emplacadas quase 2,2 milhões de unidades de janeiro a outubro, média diária fica parada em 10,5 mil.

A venda de automóveis e comerciais leves atingiu quase 2,2 milhões de unidades nos 10 meses de 2019, acumulando alta de 7,5% sobre o mesmo período de 2018, mas o comparativo mensal mostra que os emplacamentos estão estáveis, pararam de crescer. Em outubro foram vendidas 241,2 mil veículos, registrando aumento de 8% na comparação com setembro, que teve dois dias úteis a menos. A média diária de emplacamentos ficou parada em 10,5 mil unidades por dia útil, situando-se entre as médias de agosto (10,4 mil) e setembro (10,6 mil).

Os números foram divulgados na sexta-feira, 1º, pela Fenabrave, entidade que reúne as associações de concessionários. A análise isolada dos dois segmentos mostra que as vendas de comerciais leves nestes dez meses somaram 326,2 mil unidades e cresceram 7,4%. Os automóveis responderam por 1,85 milhão de unidades, anotando alta de 7,5%. O equilíbrio no desempenho desses dois segmentos até outubro é bem visto pelos distribuidores.

"O ritmo de crescimento permanece moderado, estável e positivo no acumulado, o que é muito importante para os resultados do setor em 2019”, afirma o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr.

De acordo com projeções da entidade, o ano deverá se encerrar com crescimento de 10% considerando todos os segmentos somados.

O automóvel mais vendido no acumulado do ano foi o Chevrolet Onix, com 200,6 mil unidades. Este total é maior que a soma do segundo e do terceiro colocados (Ford Ka, 86,4 mil licenciamentos, e Hyundai HB20, 85,9 mil).

Entre os comerciais leves, a picape Fiat Strada também mantém liderança com 63,6 mil emplacamentos. A segunda colocada é outra caminhonete da marca, a Toro, com 52,8 mil unidades.

MÁRIO CURCIO, AB

Fonte: www.automotivebusiness.com.br

Comentários desta notícia

Publicidade