MEIO FILTRANTE - Setor de ar condicionado discute uso de substâncias que não agridem camada de ozônio
Esta notícia já foi visualizada 529 vezes.



Setor de ar condicionado discute uso de substâncias que não agridem camada de ozônio

Data:3/12/2019

Na última quinta-feira (29), evento em Brasília discutiu alternativas de fluidos frigoríficos inofensivos à camada de ozônio e de baixo impacto para o meio ambiente para serem utilizados em aparelhos de ar condicionado de uso residencial.

Debate ocorreu no Encontro sobre Tecnologias para o Setor de Ar Condicionado realizado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO), e reuniu especialistas e representantes do setor.

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, em 2018, o Brasil alcançou a eliminação de 38% do consumo dos hidroclorofluorcarbonos (HCFCs), substâncias que contribuem com o aquecimento do planeta e agridem a camada de ozônio. Segundo o diretor de Economia Ambiental e Acordos Internacionais do MMA, Adriano Santhiago, índice coloca o país muito perto de concluir a meta de eliminação de 39,3% do consumo da substância até o ano de 2020.

Em Brasília, representantes da iniciativa privada e especialistas analisaram o uso do propano (R-290) para equipamentos de ar condicionado de uso residencial. Foto: Divulgação/MMA.


Alternativas para o uso de fluidos frigoríficos inofensivos à camada de ozônio foram discutidas na última quinta-feira (29) por especialistas e representantes do setor de ar condicionado.

O debate ocorreu em Brasília, no Encontro sobre Tecnologias para o Setor de Ar Condicionado realizado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO).

O uso do propano como fluido frigorífico em equipamentos de ar condicionado residenciais foi o tema do evento. O diretor de Economia Ambiental e Acordos Internacionais do MMA, Adriano Santhiago, destacou a importância da transição para alternativas sem impacto para o ozônio e de baixo impacto para o sistema climático global.

“Eventos como esse nos auxiliam a vencer esses desafios”, afirmou Santhiago.

Os mecanismos necessários para que o setor passe a usar o propano também foram debatidos no evento.

O representante da UNIDO no Brasil, Alessandro Amadio, explicou que o debate é fundamental para questões relacionadas à segurança no manuseio da substância e para garantir a competitividade econômica durante a transição para compostos alternativos.

Tendências globais
O chefe da divisão do Protocolo de Montreal do Departamento de Meio Ambiente da UNIDO, Ole Nielsen, apresentou um panorama das tendências globais do setor e das expectativas para o Brasil.

Nielsen citou casos como o programa implementado pela UNIDO na China para a conversão tecnológica do setor e as implicações da substituição dos hidroclorofluorcarbonos (HCFCs) por outras substâncias.

O engenheiro mecânico Ênio Bandarra, professor e pesquisador da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), abordou questões ligadas à segurança no uso do propano como substância alternativa no segmento de ar condicionado e apresentou a experiência em campo da empresa indiana Godrej que atua no setor.

O evento também teve a participação do representante do Painel de Avaliação Técnica e Econômica do Protocolo de Montreal (TEAP) e consultor da Midea na China, Tingxun Li; e do especialista Daniel Coulborne, que faz parte de diversos comitês internacionais sobre segurança de refrigeração.

Além disso, o engenheiro naval Roberto Peixoto, também membro do TEAP, apresentou informações sobre tecnologias para ar condicionado residencial com fluidos de baixo potencial de aquecimento global.

Resultados brasileiros


A contribuição brasileira para a proteção da Camada de Ozônio também foi destaque no evento.

Em 2018, o Brasil alcançou a eliminação de 38% do consumo dos hidroclorofluorcarbonos (HCFCs). De acordo com Adriano Santhiago, o índice coloca o Brasil muito perto de concluir a meta de eliminação de 39,3% do consumo da substância no ano de 2020, em comparação à linha de base composta pela média do consumo registrado entre 2009 e 2010.

Para o diretor, os resultados mostram a importância das ações implementadas por meio do Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs (PBH) no país.

“O Brasil está fazendo sua parte e estamos superando em muito o que prevíamos. Projetos como esse nos auxiliam nesses resultados”, avaliou.

Programa Brasileiro de Eliminação dos Hidroclorofluorcarbonos
O encontro faz parte do Projeto para o Setor de Manufatura de Equipamentos de Refrigeração e Ar Condicionado, coordenado pelo MMA e implementado pela UNIDO no âmbito do Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs (PBH).

Aprovado em 2015, o objetivo do projeto é reduzir o consumo de HCFC-22 usado na manufatura desses equipamentos no Brasil e diminuir a demanda futura pela substância no setor de serviços.

Assinado em 1987, o Protocolo de Montreal promove a progressiva redução da produção e do consumo das Substâncias Destruidoras do Ozônio (SDOs) até a sua total eliminação.

No Brasil, além do setor de refrigeração e ar condicionado, as ações coordenadas pelo MMA incluem projetos voltados para os segmentos de espumas de poliuretano (PU), destinação final de SDOs; gerenciamento de chillers; e serviços.


Fonte: https://nacoesunidas.org

Comentários desta notícia

Publicidade