MEIO FILTRANTE - BIO2020: Perspectivas Brasileiras para o Marco Pós-2020 de Biodiversidade
Esta notícia já foi visualizada 255 vezes.



BIO2020: Perspectivas Brasileiras para o Marco Pós-2020 de Biodiversidade

Data:7/2/2020

Documento resume esforços e propostas de governo e sociedade civil para uma convivência global sustentável

Terminou nesta quinta-feira, em São Paulo, a “BIO2020: Perspectivas Brasileiras para o Marco Pós-2020 de Biodiversidade”.  A conferência realizada na sede da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA), em parceria com as redes ICLEI América do Sul, Regions4 e a Iniciativa “Post 2020 Biodiversity Framework – EU Support” (apoio da União Europeia) reuniu governos sublocais, comunidade acadêmica, organizações não-governamentais e sociedade civil num grande debate sobre o momento de união de esforços de todas as áreas para a preservação, a recuperação e o desenvolvimento em sintonia com o meio ambiente.

Durante três dias de mesas redondas e atividades de campo, mais de 350 profissionais das diferentes áreas apresentaram projetos, trocaram experiências e debateram ações que propõem uma nova agenda global para a conservação da biodiversidade.

O resultado, a Carta de São Paulo, será levado à COP15 da Convenção de Diversidade Biológica (CDB), a ser realizada no mês de outubro, em Kunming, na China.

Para o secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido, a assinatura deste documento é uma grande oportunidade de orientar várias ações e projetos, e rever políticas públicas com uma visão de mundo que queremos para o futuro.

“Esta carta tem uma representatividade muito grande. Eu espero que essa Carta de São Paulo, seja aplicável a todos os Estados e municípios, seja o compromisso do país com a biodiversidade para um mundo mais digno para os nossos filhos e os nossos netos. Vamos mostrar ao mundo que podemos cuidar do cidadão com ações sustentáveis, com preocupação com o meio ambiente e que cada passo do desenvolvimento pode ser feito conservando a biodiversidade”, avaliou ao final do evento.

O secretário executivo do ICLEI América do Sul, Rodrigo Perpétuo acrescentou que o documento servirá como instrumento de influência global. “Não é possível avançar no planeta sem uma agenda em que homem e natureza não caminhem juntos”.

A diretora-presidente da Cetesb – Companhia Ambiental, Patrícia Iglecias reforçou que a Carta de SP traz indicativos para o marco que vai se estabelecer a partir de 2020 no que diz respeito à biodiversidade.

“Cada um de nós que atuamos no licenciamento e trabalhamos com o conhecimento científico saímos mais fortalecidos deste evento”, declarou.

Para o diretor executivo da Fundação Florestal, Rodrigo Levkovicz, a BIO2020 mostra como a sociedade e os governos podem fazer a diferença com a congregação de esforços nas mais diversas áreas.

Convidado especial, o ambientalista Fábio Feldmann, que também já foi secretário de estado de Meio Ambiente reforçou que São Paulo sempre assumiu um protagonismo na ação e na articulação em questões ambientais e afirmou que a COP da China será o evento mais importante dos últimos tempos com meta real de mudança para o mundo.
 

Assinam o documento: Marcos Penido, secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo; Patrícia Iglecias, diretora-presidente da Cetesb – Companhia Ambiental; Rodrigo Levkovicz, diretor executivo da Fundação Florestal; Renata Gómez, Regions4; Elisabeth Chouraki, Post 2020 Biodiversity Framework.EU Support; e Rodrigo Perpétuo, secretário executivo do ICLEI América do Sul.



Fonte: www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br

Comentários desta notícia

Publicidade