MEIO FILTRANTE - SIMA define regras para criação de Corredores Ecológicos que conectam Áreas Protegidas
Esta notícia já foi visualizada 248 vezes.



SIMA define regras para criação de Corredores Ecológicos que conectam Áreas Protegidas

Data:18/3/2020

Estratégia visa integrar atividades socioeconômicas, preservação da biodiversidade e fortalecimento das Unidades de Conservação

Na edição do Diário Oficial do sábado (7), a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA) publicou a Resolução SIMA-17, de 6/3/2020, com diretrizes para o estabelecimento de Corredores Ecológicos que conectam as Unidades de Conservação (UC’s) do Estado de São Paulo, geridas pela Fundação Florestal (FF), e pelos Institutos Florestal (IF) e de Botânica (IBot).

O propósito da estratégia de integração é buscar o ordenamento do território, adequar os passivos ambientais e proporcionar a integração entre as comunidades e as Unidades de Conservação, compatibilizando a presença da biodiversidade, a valorização da sociobiodiversidade e as práticas de desenvolvimento sustentável no contexto regional. A Resolução foi aprovada por unanimidade pelo CONSEMA.

“O corredor ecológico é uma estratégia voltada para a conexão de remanescentes florestais, que garante a perenidade da biodiversidade nas Unidades de Conservação e reduz a fragmentação dos ambientes naturais. Desempenha ainda a função de passagem da fauna e dispersão das plantas, evitando que populações fiquem isoladas em habitats naturais restritos e poucos sustentáveis”, explica o diretor-executivo da Fundação Florestal, Rodrigo Levkovicz.

Os corredores ecológicos poderão ser criados pelo Estado em três ocasiões: no momento da criação de uma UC; na elaboração de Plano de Manejo; ou na revisão de Plano de Manejo.

Entre os aspectos orientadores para a criação da resolução, incluem-se:

Heterogeneidade de habitats

Espécies possuem distintas capacidades de dispersão e deslocamento. Ex: áreas secas/úmidas, migrações altitudinais.

Corredores homogêneos e estreitos podem ser prejudiciais, tornando-se um filtro seletivo (bloqueando movimento de grupos de espécies) ou um catalizador de proliferação de pragas (por ser formados por áreas de borda).

Estrutura e Conectividade da Paisagem

Tamanho e distância entre fragmentos, densidade, stepping stones, corredores, etc.
Considerar a heterogeneidade da paisagem – Espécies podem utilizar recursos de diferentes tipos de uso e cobertura da terra.

Processos Ecológicos

Permeabilidade da matriz (habilidade de dispersar ou ocupar a matriz).
Foco na conectividade funcional e nos processos ecológicos (deslocamento, polinização, dispersão).

Para o coordenador de Planejamento Ambiental, Gil Scatena, os corredores ecológicos representam o ordenamento do uso e ocupação do solo, integrando as Unidades de Conservação e a população local, garantindo a proteção efetiva das áreas naturais. “A Resolução também trará segurança jurídica aos proprietários e empreendedores, integrando as atividades socioeconômicas, preservação da biodiversidade e fortalecimento das Unidades de Conservação.”, finaliza.


Fonte: https://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br

Comentários desta notícia

Publicidade